Peter Prefeito

No Conexão Empresarial, o prefeito de São Paulo, João Dória ladeado pelos anfitriões Gustavo César de Oliveira e Paulo César de Oliveira
Foto: Edy Fernandes

Peter Prefeito
Dia 21, “Peter Perfeito”, o prefeito de São Paulo, João Doria, proferiu palestra na VB Comunicação, Nova Lima, revelando poucas e ótimas. Além de negar ser  candidato à Presidência da República, agradecendo a lembrança de seu nome, Doria foi bem “paulista”: “Respeito muito o senador Aécio Neves, mas meu candidato à Presidência chama-se Geraldo Alckmin”, governador de São Paulo e seu “criador”.

Prefeito perfeito
É fácil acreditar em Doria porque, no mínimo, ele é coerente e grato, aos três milhões de votos que teve e a seu principal apoiador, Alckmin. A O TEMPO declarou: “Tenho que ser prefeito e, mais do que isso, tenho que ser um bom prefeito. Essa é a minha preocupação integral”.

Prefeito e candidato
Sem postular uma possível reeleição, Doria disse que depois da Prefeitura de São Paulo, voltará ao setor privado. Mas! O empresário Doria tem quatro anos para aprender e ser seduzido pela cachaça que é a política, assim, pode pensar em reeleição e até no cargo de governador.

Prefeito e prefeito
Nova Lima e São Paulo têm em comum a direção de prefeitos\empresários (competentes). Assim, nada mais natural que uma conversa, entre o anfitrião, Vittorio Medioli e seu nobre hóspede, João Doria. Medioli, defendeu uma união de prefeitos: “Hoje, existem 26 municípios estratégicos no Brasil que deveriam se unir”, disse Medioli. Doria concordou abrindo suas portas.  Para Medioli, esses municípios são fundamentais para todo o Brasil, pois têm refinarias, centrais hidrelétricas, indústrias, etc.

Na mesma tarde, o presidente da Fiemg, Olavo Machado Jr e o deputado Fábio Ramalho
Foto: Edy Fernandes

Curtas & Finas

*Ainda sobre a palestra na Conexão Empresarial, da VB Comunicação, em Nova Lima, Doria apresentou sua proposta de administração pública: empresários e população unidos e vencedores.

Unidos. Da limpeza total da capital, inclusive a visual (guerra aos pichadores); ao envolvimento de 44 hospitais privados no Corujão da Saúde, para os mais carentes.

Doria defendeu reforma tributária e trabalhista urgente, com legislações transparentes e adequadas. "É preciso coragem. O Congresso tem que estar a serviço do povo e entender que os empresários não podem ficar parados”.

Doria criticou os governos petistas e a maldita herança deles: 12 milhões de desempregados.

Sobre o juiz Sérgio Moro: “É um herói. Não fosse Moro, essa gente ainda estaria aqui. Quero ver o país livre dessa gente que, por 13 anos, se apoderou do país, esquecendo-se de que nossa bandeira é verde e amarela, não é vermelha”.

Doria foi gentil, a bandeira do Brasil petista não era vermelha, era de piratas!