Paulo Navarro | terça-feira, 30 de junho de 2020

O Palácio das Mangabeiras, moderno e eterno, esperando um novo tempo, em 2021

Foto: Jomar Bragança

Os jardins do Palácio das Mangabeiras esperando a Casacor Minas 2021

Foto: Jomar Bragança

Eduardo Faleiro e Juliana Grillo, em todas as cores e tons do P&B

Foto: Jomar Bragança

Cores adiadas

É tão desolador quanto previsível. Desafiador, mas com fios de esperança. No fim de semana soubemos que, a Casacor Minas Gerais, programada para outubro, foi adiada para primeiro semestre de 2021. Qualidade, talento, criatividade apenas adiados. Vai fazer falta? Claro. Mas é bom a gente já ir esquecendo este 2020, que será de sinistra memória. Tomara deixe apenas lições para a construção de um mundo melhor e mais colorido. Principalmente no verde!

Cores reais

“Neste cenário de pandemia, os diretores da mostra, Eduardo Faleiro e Juliana Grillo, se viram obrigados a tomar a difícil decisão de adiar para o próximo ano a realização de evento, no formato original até então praticado, que já estava programado e anunciado para ocorrer no Palácio das Mangabeiras”. Para assassinar as saudades de dias melhores, na coluna de hoje, fotos do palácio, do “rei e da rainha” da Casacor Minas.

Cores futuras

Diz a dupla dinâmica: “A direção reconhece todos os esforços e apoios recebidos e lamenta os eventuais transtornos e frustrações que essa decisão possa vir a causar aos parceiros, fornecedores, colaboradores, ao público e a toda a cadeia produtiva envolvida na execução do evento. Ainda para 2020 estamos preparando uma ação virtual. Trata-se de uma semana de conteúdo, aberta ao público, com temas voltados para as áreas de arquitetura, design de interiores e paisagismo”.

Cores presentes

“O momento requer cuidado e reflexão e a Casacor Minas, a maior e mais completa mostra do estado, tem papel fundamental no fomento do mercado e na promoção de conceitos que destacam a relação com a casa e com o viver na contemporaneidade”. Em nossas próximas colunas, aguardem informações novas e mais completas. Enquanto isso, desejamos às idolatradas leitoras, caros leitores, famílias a amigos que curtam suas casas, jardins e cores, são nossos mais deliciosos “bunkers” contra todos os males.

 

A mineira, “Mulher Bonita” e Mulher Investidora, Clarissa Vaz

Foto: Divulgação 

Hora feminina

O Grupo Independente de Mulheres Investidoras, Gimi Network, plataforma de educação financeira e experiências voltada ao público feminino criada em São Paulo, chega a Minas em julho. Fundado por Regina Giacomelli Politi, Simone Schapira Wajman, Marilene Bertoni Nigro e Luciane Ribeiro, a plataforma atua em duas vertentes: a educacional, com cursos presenciais e online, sobre o mercado financeiro focado no público feminino.

Hora forte

Cursos com linguagem simples, sem economês, e a de experiências, que funciona como uma rede de networking para mulheres inscritas no programa. O objetivo do Gimi é reunir mulheres de todas as idades que estejam em busca de aprimorar seus conhecimentos no mercado financeiro, independente da finalidade – cuidar de suas finanças pessoais, familiares ou doméstica.

Curtas & Finas

* Ainda sobre o Gimi Network: “A educação financeira é o melhor e mais rentável investimento que podemos fazer durante a vida”.

“Essa é a primeira e principal lição da nossa trilha sobre mercado financeiro” explica Regina Politi.

Com a Covid-19, as aulas acontecem pela internet, atraindo novas turmas, possibilitando a divulgação para outros estados brasileiros.

Em Belo Horizonte, o grupo de mulheres Marias Bonitas de Lourdes, criado há três anos, já mostrou interesse para que várias mulheres possam acessar a plataforma de educação financeira.

As inscrições para os cursos e para se tornar associada podem ser feitas pelo site www.giminetwork.com.br

* Domingo, dia 28, foi ou seria celebrado o dia mundial LGBTQI+.

A construtora MRV incluiu as cores da bandeira arco-íris em suas redes sociais e na fachada de sua sede.

A empresa aderiu à campanha de valorização da diversidade em respeito às orientações sexuais e identidades de gênero.

A MRV é uma plataforma de soluções habitacionais que está em constante transformação, atenta ao seu mercado e nas constantes transformações da sociedade prezando sempre pelas liberdades coletivas e individuais.

As cores do arco-íris LGBTQI+ estão representadas no prédio da empresa em Belo Horizonte por meio de luzes formando um coração e ficarão acesas durante toda a semana.

Já na internet, as fotos de perfis das diversas redes sociais da MRV estampam a bandeira arco-íris ao fundo, juntamente com a marca da companhia.

“A MRV é uma empresa líder em seu segmento graças ao seu time. Somos comprometidos com o respeito às pessoas e suas escolhas”.

“A transformação começa dentro de cada um para alcançar o mundo de todo mundo”.

“No mês do orgulho LGBTQI+ nossos colaboradores estão convidados a debater e refletir sobre o tema em uma programação especial”, explicou o diretor de Desenvolvimento Humano, Marcos Horta.