Paulo Navarro | terça-feira, 29 de outubro de 2019

Nos bastidores das finais mineira e brasileira de motocross, que aconteceram no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, o supergestor de comunicação e marketing da BH Airport, Nicolau Maranini, ao lado de sua esposa, Terezinha Maranini

Foto: Thiago Miranda


Triste Horizonte 

Nada mais desolador do que um giro em torno de um ponto, quase histórico, restaurado e palco de grandes eventos culturais, um templo atualmente desperdiçado, como todo o Centro de BH, o Cine Theatro Brasil Vallourec, na Praça Sete. 999 perdões pela sinceridade, mas a Vallourec jogou dinheiro fora e, como diz o ditado, “colocou piscina em favela”. Como acontece com o Museu de Artes & Ofícios.

Feio Horizonte 

O Museu de Artes & Ofícios, na Praça da Estação, é desperdício ainda maior, cujo entorno, deixado às moscas, não oferece a mínima infraestrutura para turistas. Aquela gigantesca praça em frente só serve para o crime e a bagunça. Poderia ser um oásis de bares e restaurantes.

Inútil Horizonte 

Voltando ao Cine Brasil, mesmo a parca iluminação não esconde dezenas de sem teto (mendigos). Reflexo mais direto da miséria que assola toda a cidade, sobretudo o Centro; mais abandonado, impossível. Banheiro a céu a aberto, segurança zero. Desleixo horrível do MP e da PBH.

Burro Horizonte 

Não longe, o antigo Teatro da Praça, na Praça Afonso Arinos, é outro cartão postal ao contrário: mendicância, insegurança e escuridão de todo tipo. Uma indecência sob os olhos da regional Centro Sul que, no mínimo, poderia “plantar” mera iluminação pública; lavagem dos passeios esburacados. Revitalização já na ordem do dia! Resumindo, é o que não cansamos de escrever aqui, sempre. Enquanto a especulação imobiliária grassa a cidade, inchando, criando outros bairros, o Centro agoniza e morre.


Mão na roda 

O advogado e procurador-geral da Agência de Autorregulamentação das Entidades de Autogestão de Planos de Proteção Contra Riscos Patrimoniais (AAAPV), Renato Assis, vai lançar livro, no dia 31, na Casa Bernardi, Cidade Jardim. Trata-se de “Socorro Mútuo – Como a proteção veicular revolucionou o mercado de proteção patrimonial de seguros no Brasil”.


Curtas & Finas

* Ainda sobre o lançamento de “Socorro Mútuo”: o evento também vai comemorar os 13 anos do escritório Assis Videira Consultoria e Advocacia.

* A Barbearia Big John, Vila da Serra, informa sua parceria com o Instituto Mano Down!

Agora, as pessoas com síndrome de Down – homens, claro – podem aproveitar o serviço gratuito na Big John, seja corte ou barba, com o atendimento especial que eles merecem.

Válido para toda segunda e terça-feira, por ordem de chegada.

* O ex-técnico das seleções brasileiras de vôlei masculina e feminina, Bernardinho, é a estrela da nova campanha publicitária da ArcelorMittal.

No filme, “Obra é coisa séria”, Bernardinho dá uma “bronca motivacional” nos pedreiros de uma obra, exigindo segurança, qualidade e agilidade.

Mas, mal sabe ele, que a ArcelorMittal já está na obra.

* A Contemporânea Confraria de Arte e Design, Lagoa Santa, apresenta, até dia 31, a exposição “Recanto do Poeta”.

* Luciana Matozinhos inaugura sua exposição Insólitos, hoje, às 19h30, na Templuz.