Paulo Navarro | terça-feira, 24 de março de 2020

Na posse da nova diretoria do Instituto de Formação de Líderes de BH, a presidente, Laura Franco, emoldurada por Pedro Rabelo e Thiago Kalab, diretores da instituição

Foto: Edy Fernandes


Durante o mesmo evento, que aconteceu no The One Business Center, os também diretores Thiago Porto, José Bento Meirelles e Ademar Lara

Foto: Edy Fernandes


Vírus pequeno

O mundo está “meio parado”, mas a vida continua. A economia vai sofrer mais que as populações. Tudo passará, mas a que preço? Só se fala na pandemia, e as ruas também estão “meio vazias”. Tudo em suspense, esperando o bonde chegar, a banda passar. Fizemos um pequeno exercício sobre março de 2019. O que foi assunto, aqui mesmo, há exatamente um ano, quando dia 23 de março aconteceu num domingo?

Vírus minúsculo 

Falamos sobre a banalidade do mal, o massacre de Suzano, ocorrido no dia 13 de março, na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, (SP), lembram? Dois atiradores, ex-alunos, mataram cinco estudantes e duas funcionárias da escola. Outra tragédia, bem menor, claro. Foi-se!

Vírus ridículo

Falamos também sobre o World Wiskies Awards, ranking mundial dos melhores uísques e que, em Los Angeles, EUA, um hotel para cães, tinha diária de US$ 60. Foi-se também, quanta besteira, provando que a vida é muito mais séria e linda. Que a vida pode ser e vai voltar ao normal.

Vírus que segue 

Um ano depois, onde estamos nós? Confinados, em quarentena, esperando a vida voltar. E com tanta informação, sabemos de nada. Só temos perguntas, dúvidas, ansiedade, tédio e medo. E, sinceramente, este período – que deveria ser de interiorização, de reflexão – está mesmo é o paraíso para o que fazemos há muito tempo, com ou sem coronavírus: todos ligados no pânico e histeria da TV, das redes sociais e das teorias da conspiração. Mas lições serão tiradas. Alguma coisa a gente sempre aprende.


Curtas & Finas

* Em tempos de reclusão forçada, cabe uma tese sobre o quanto cresceu o consumo de internet, redes sociais e Netflix, por exemplo.

E as dicas sobre visitas virtuais a museus entre outras viagens no sofá?

E a faxina, a arrumação de casa e gavetas? E os trabalhos manuais, os jogos de tabuleiro etc.?

E as piadas sobre sexo virtual e divórcios reais, depois de tanto convívio forçado?

“Já estou no outono: outono quarto, outono sala, outono banheiro”.

Um exemplo bonito: mesmo tendo as atividades suspensas na Sala Minas Gerais, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais oferece seu canal no YouTube.

São mais de 100 vídeos, que mostram sua música, seus bastidores e histórias de compositores.

YouTube: www.youtube.com/filarmonicamg

E mais: a Filarmônica de Minas Gerais lança o podcast “Filarmônica no Ar”.

O podcast está nas diferentes plataformas de streaming: Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Breaker, Overcast. Link: anchor.fm/filarmonicamg.

Boa viagem, cuidem-se, até amanhã.