Paulo Navarro | terça, 3 de agosto de 2021

Tema da hora

Assunto da moda e do “Infomoney”: processos trabalhistas envolvendo o teletrabalho, como “home office” cresceram 270% na pandemia. Com cada vez mais empresas passando a adotar o regime remoto, parlamentares começaram a apresentar projetos para detalhar as condições que empregados e empregadores precisam cumprir no “home office”.

Tema do ano

Reclamações das condições do “home office” subiram de 46 em 2019 para 170 em 2020. Apenas no mês de junho deste ano, foram abertos 46 processos. Avaliação do especialista em direito do trabalho, Fabio Chong: o salto no número de ações trabalhistas está relacionado com o aumento do contingente de trabalhadores colocados em atividades remotas.

Tema da pandemia

Atividades de maneira emergencial, sem tempo para planejamento, que deve ser feito agora. “As empresas foram forçadas a improvisar. Escritórios estudavam flexibilizar no médio prazo, mas de uma hora para outra todos se viram obrigados a trabalhar de casa. Por isso, é necessário colocar, por escrito, pontos que tendem a dar mais problemas”.

Temas cruciais

As questões mais questionáveis são a jornada e a contagem das horas extras, além da estrutura de ergonomia para o trabalhador, que pode levar a doenças. Chong recomenda que empregadores e empregados estabeleçam, em conjunto, as normas que deverão ser cumpridas no regime, inclusive com valores para eventuais ajudas de custo.

Tema acordado

Por exemplo, o acordo do Bradesco com funcionários. Ajuda de custo de R$1.080 no primeiro ano para Internet e luz. O Ministério Público do Trabalho (MPT) editou nota técnica com 17 recomendações, mas não têm peso de lei e tendem a ser questionadas. Parlamentares apresentaram dezenas de projetos para regulamentar as atividades fora das sedes das empresas.

Tema delirante

Embora praticamente todo o governo tenha adotado o teletrabalho, também há propostas no serviço público. Deputados petistas querem auxílio transporte, adicional noturno, de periculosidade e insalubridade, pontualidade, entre outros. Aí, perguntamos: Auxílio transporte para ficar em casa? Periculosidade, insalubridade e pontualidade em casa?

Raízes de Buteco

Com o tema “Raízes”, a 21ª edição do concurso “Comida de Buteco” começou dia 30 de julho, com diversas novidades e 49 butecos participantes em BH. O foco é o movimento “Salve os Butecos”, que tem como objetivo levar ao público e os parceiros várias alternativas para contribuírem com os butecos.

Curtas & Finas

*Ainda sobre o “Comida de Buteco” e o “Salve os Butecos”. As doações podem ser em espécie, produtos e espaços na mídia para divulgar a campanha.

A meta é arrecadar R$3 milhões entre e dividir igualmente entre os butecos participantes.

E, pela primeira vez, o concurso terá formato híbrido, os consumidores poderão provar os petiscos de duas formas.

Por meio do “delivery” ou buscando nos botecos, em formato “para levar”.

*Entre os dias 15 e 29, o 26.º Festival de Inverno de Congonhas. Em formato virtual, o evento contará com diversas atrações artístico-culturais.

Shows, espetáculos de teatro e dança, além de oficinas formativas, com artistas locais e nacionais.

*Notícias do presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM) e vice-presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Julvan Lacerda.

Participou do Seminário de boas práticas e modernização da gestão pública, em Jaboticatubas.

Ao lado do prefeito anfitrião, Eneimar Marques, Julvan voltou a cobrar a dívida do Estado com a Saúde dos municípios.

Quem faz e acontece passa por aqui

A dupla Clayton & Romário. Foto: Edy Fernandes

A trinca de ouro, Cristiane Alkmim, Humberto Alves Pereira e Juliana Lana. Foto: Edy Fernandes