Paulo Navarro | terça, 27 de julho de 2021

Três lindas graças, seminuas, modelos, divulgando e festejando, em Ibiza, Espanha, o movimento “Free The Nipple”. Vira, vira, vira! Viva! Foto: Divulgação Cacau Oliver

Liberdade acesa

Da Cacau Oliver Assessoria, linda, gostosa e palpável notícia. Depois da longa temporada de passarelas e semanas de moda, um grupo de modelos foi para Ibiza. As formosas alugaram um barco para festejar em alto mar e decidiram tirar fotos em apoio ao movimento “Free The Nipple”. Em bom português, “mamilos ao ar” ou “mamilos livres”. "Estávamos nos divertindo, mas queríamos fazer algo que importasse", diz a modelo brasileira, Camila Luz.

Liberdade ereta

"Decidimos tirar algumas fotos para apoiar o movimento ‘Free The Nipple', pois todas somos adeptas dele. Como modelos, nos dizem que não há problema em tirarmos a blusa quando um homem está ganhando dinheiro com essas fotos, mas quando não há homem lucrando, é promíscuo. Se está quente e um homem tira a camisa, por que não podemos? Por que temos que sofrer?”.

Liberdade escultural

Continua Camila Luz: “Por que as pessoas querem nos sexualizar e dizer o que fazer com nossos corpos?”. “Temos sempre que lidar com o comportamento dos homens, por que eles não podem fazer o mesmo por nós?”. Camila “chérie”, fique à vontade e cada vez mais. Damos amplo, geral e irrestrito apoio ao movimento. O que é bonito é para ser mostrado. Mande-nos as fotos!

Paisagem de cinema.

Cinema de antigamente, cinema distração, cultura, estética, leve; cinema da boa e velha Hollywood. Apesar de algumas imagens de guerra e drama, proibidas para menores, perto de Belo Horizonte ou no interior do estado, nossas palmas anuais para os ipês, roxos e amarelos, cinematográficos. Beleza de filme japonês, mostrando as cerejeiras em flor ou de filme soviético com os girassóis da Rússia, sem Putin.

Paisagem urbana

Ainda em Belo Horizonte, o outro lado, o lado triste e indigno da capital, cada vez mais repleta de pedintes e mendigos. Ou população de rua, sem teto, sem abrigo, como gostam os politicamente corretos, sempre de plantão e dedo duro. Vergonha, covardia, absurdo, vermos a população mais carente e frágil sob pontes, viadutos, marquises ou qualquer canto que a proteja deste frio glacial.

Paisagem marciana

Já na região compreendida entre BH e Nova Lima, Belvedere, Seis Pistas e Vila da Serra, cidades e oásis dentro dos mil problemas e desperdícios de uma cidade grande. Elogios fáceis de escrever. Elogios para ruas, avenidas, logradouros e parques mais sociáveis, verdes, modernos e voltados à Saúde e ao Esporte. Elogios para a nova moda, importada do Rio de Janeiro, as quadras de Beach Tênis.

Paisagem perolar

No capítulo “pérolas aos poucos”, as quadras de Beach Tênis pululam no bairro. O que é Beach Tênis (Beach Tennis?). Ora bolas! Tênis na areia. Esporte criado há mais de 30 anos, na Itália e que, por ser jogado na areia e com rede, estaria mais propício às cidades praianas. Mas não. Qualquer cidade ou bairro, querendo e pedindo, pode usar seus espaços para esta prática. No mais, mais quadras, corridas e caminhadas no Belvedere e na onda de Tóquio.

Paisagem exemplar

Na esteira, um convite de Cláudio Nogueira: A Casa Dipraia LayBack chegou. Em breve, nove quadras de areia, sendo cinco delas cobertas para a prática de “beach tennis”, futevôlei e treinamento funcional; espaço gastronômico com diversas opções, bares de chope e drinques, espaço kids, tudo isso em amplo e aberto espaço com bistrôs, área de atendimento e lounges. Belvedere, claro.

Três lindas graças, vestidas; Inge Alkimim, Cíntia Neves e Liliane Andrade no restaurante Ah! Bon. Foto: Arquivo Pessoal

Curtas & Finas

*Sobre o Belvedere e seus privilégios. “Engraçado” como o dinheiro atrai dinheiro. Engraçado, normal, natural, merecido ou obrigatório?

Como se Belvedere e arrabaldes precisassem ganhar, mais e sempre, enquanto o resto da cidade parece Cabul à tarde!

Custa alguma coisa distribuir? Custa! E muito. Em BH e no Brasil quem tem dinheiro faz, compra e vive em guetos de ouro.

Depois de shoppings, clubes e condomínios, quem tem, sempre quer ter mais e melhor.

O resultado é esse mesmo. Bairros chiques cada vez mais ricos e distantes do resto da cidade e sociedade. Mundo cruel?

Mas desde quando a vida é justa? O sol nasce para todos, a sombra para muito poucos. “C’est la vie”. Tá reclamando? Vá para Cuba. Ou Paris!

*O que tem de analfabeto funcional no Brasil e no mundo não está no gibi, mas deveria figurar no livro dos recordes, o Guinness.

O Instituto Gil Nogueira é referência no combate ao analfabetismo funcional por meio do seu projeto Ler é Viver.

Projeto que incentiva a leitura nas escolas da rede pública de Belo Horizonte com doação de livros, narração de histórias e interpretação de textos.

Mesmo com pandemia e sem aulas aconteceu o primeiro Concurso Literário Ler e Viver.

No dia 20, os três primeiros colocados no concurso receberam suas medalhas, na sede do Instituto Gil Nogueira, Santa Lúcia.

*O turismo regional é uma das grandes apostas para a retomada da economia, principalmente nos pequenos municípios.

Assim, a Associação Mineira de Municípios - AMM, a Confederação Nacional de Municípios - CNM e o Sebrae participaram do Seminário “Como desenvolver o turismo no seu município”.

Promoção da Prefeitura Municipal de Argirita e do Circuito Turístico Serras e Cachoeiras, dia 20, em Argirita.

Prefeitos de diversos municípios da região participaram do evento.

O presidente da AMM e vice-presidente da CNM, Julvan Lacerda, esteve na abertura.

Julvan parabenizou o presidente do circuito e prefeito de Argirita, Alex Andrade Anzolin.