Paulo Navarro | segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Fazendo e acontecendo, o CEO do Grupo Aquila, Rodrigo Godoy

Foto: Grupo Áquila/Divulgação

Mapa da mina 

O Grupo Aquila – empresários e gestores públicos – em mais um “#Foco 2019 Aquila”, dia 31, no Centro Cultural Minas Tênis Clube, das 9h às 20h. Vai lançar inovações para o setor público e privado; homenagear clientes e parceiros que se destacaram em gestão. O Igma (Índice de Gestão Municipal Aquila) é outra novidade, mapeando mais de cinco mil cidades, com o desempenho de suas gestões públicas.

Mapa das Minas 

Critérios como educação, mobilidade, eficiência fiscal, saúde e desenvolvimento sócio-econômico dos municípios. Neste módulo, focado na gestão pública, prefeitos e gestores públicos abordarão boas práticas da área utilizadas, em debate comandado pelo jornalista William Waack.

Mapa dos tesouros 

Na etapa gestão privada, 20 empresas e seus resultados com a parceria do Aquila. Kandarp Mehta, Phd em empreendedorismo pelo IESE (Barcelona), fará palestra. “O público terá excelente panorama do cenário brasileiro pós-eleições”, diz o CEO do Grupo Aquila, Rodrigo Godoy.

Velha novidade 

De novo voltamos à operação tapa-buraco da Copasa e ao repasse a terceiros da “finalização porca” de suas obras. Asfalto desnivelado, cheio de calombos e ondulações sobre o original. Uma coleção de remendos cidade afora. Sem esquecer a demora e a péssima qualidade do material que dura nem um mês! E isso em ruas de “gente fina”, Nova Lima. Imaginem como é o tratamento na periferia, sem poderosos para botar a boca no trombone. Que os céus nos tragam uma administração mais decente ano que vem.

Fim do fim 

Infelizmente, por falta de espaço, só agora um resumo de mais uma pertinente reflexão do bacharel em Turismo e ex-presidente da ABIH/MG, José Aparecido Ribeiro. “... Alguns hotéis a gente nunca imagina que vão acabar; o Belo Horizonte Othon Palace era um deles (...) Por muitos anos, o BH Othon foi referência, único hotel ‘cinco estrelas’ de BH”.

Curtas & Finas

* Continua Ribeiro: “O fechamento do Othon é bem mais que o fim de um dos mais importantes hotéis. É o fracasso de Minas, a estagnação da capital que já teve importância no cenário nacional”.

“A economia de BH está em frangalhos; infraestrutura defasada, contra os interesses da cidade, há pelo menos 20 anos”.

“A Copa do Mundo, que todos achavam ser a redenção, foi um desastre. Oito mil novos quartos que hoje disputam hóspedes a laço, daí o fim do Othon Palace”.

“O turismo não existe para nossos gestores que, nesciamente ignoram a geração de empregos e impostos. Temos o impecável Confins, mas negligenciamos a importância do Turismo e infra para executivos e organizadores de eventos”.

“O turismo é carro chefe de milhares de cidades no mundo, aqui é moeda de troca de políticos obtusos e oportunistas. O trade perdeu forças para exigir nomes com experiência e capacidade.

“Ou se faz do Othon uma limonada, ou mais hotéis em breve terão o mesmo fim”.