Paulo Navarro | sábado, 25 de setembro de 2021

Entrevista com o diretor-presidente da Fundação São Francisco Xavier Salvador Prado Júnior. Foto: Elvira Nascimento

Missão e Lição

Em 2013, explicou o arcebispo de BH, Dom Walmor Oliveira: "São Francisco Xavier foi um jesuíta, missionário na China, que dizia: ‘Vou nas universidades em Paris dizer para as pessoas que há muita gente pelo mundo precisando delas para anunciar a vida, para ensiná-las o caminho do bem’". Explicando a Fundação São Francisco Xavier, “A” missão, seu diretor-presidente, Salvador Prado Junior.

Salvador, qual a boa nova da Fundação São Francisco Xavier, em tempos de pandemia?

A entidade filantrópica, que tem como instituidora a Usiminas, presenteia Belo Horizonte, com um novo hospital.

E como você chegou lá ou aqui?

Originalmente, sou engenheiro civil. Minha carreira profissional foi consolidada nas empresas do grupo Usiminas. À frente da Fundação São Francisco Xavier, desde 2020, muitas conquistas norteadas pela ética e pelo comprometimento com o trabalho. Acredito no desenvolvimento e na valorização das pessoas como mola propulsora para o negócio.

Como tem sido sua gestão em plena pandemia?

Um desafio que tem me proporcionado muito crescimento profissional. A área da Saúde tem vivido um momento ímpar com o novo Coronavirus. A fundação não poupou esforços para continuar atuando com assistência humanizada. Contratamos mais pessoal, ampliamos o número de leitos, seguimos os protocolos da OMS e os nossos. Enfrentamos essa pandemia com um trabalho que tem sido reconhecido pela população e por entidades ligadas à Saúde.

Como é gerir uma Fundação com mais de 50 anos?

É muito trabalho com responsabilidade e compromisso, mas também uma satisfação enorme de poder contribuir com a comunidade em setores tão importantes.

Estamos falando de quantas instituições?

Administramos cinco hospitais - Hospital Márcio Cunha unidade 1 e 2, em Ipatinga; Hospital e Maternidade Vital Brazil, em Timóteo; Hospital Municipal Carlos Chagas, em Itabira e Hospital de Cubatão, na cidade de Cubatão, na Baixada Santista - um colégio e uma operadora de planos de saúde. Assim, a Fundação São Francisco Xavier é referência onde atua.

O que o novo hospital em Belo Horizonte vai oferecer?

O que há de melhor em nossa entidade que tem mais de 52 anos de história e, inclusive, administra o Hospital Márcio Cunha que possui 56 anos de existência. Será uma estrutura para atender casos de média e alta complexidade, com tecnologia avançada, profissionais altamente capacitados e um tratamento humanizado que é o foco da instituição. Serão 380 leitos e diversas especialidades médicas.

Por que a capital foi escolhida para sediar o novo hospital da Fundação?

Porque é uma Região Metropolitana, com grande demanda por atendimento médico-hospitalar e sempre fez parte do nosso plano de expansão. A grande maioria das unidades hospitalares se concentra na região centro-sul da cidade. Nosso hospital, na Pampulha, vai trazer grande contribuição para a comunidade de toda a região de BH.