Paulo Navarro | sábado, 21 de agosto de 2021

Entrevista com o procurador-geral de Justiça no Ministério Público de Minas Gerais, Jarbas Soares Júnior. Foto: Arquivo Pessoal

Forte e Feliz

Natural de Montes Claros, criado na cidade de São Francisco, Jarbas Soares é, pela terceira vez, procurador-geral de Justiça, no Ministério Público de Minas Gerais. Tomou posse em dezembro de 2020. Pergunta: Jarbas, feliz, ativo e operante nestes tempos tão conturbados? “Feliz por voltar a exercer a função de procurador-geral de Justiça e, operante, fazendo o que a Instituição precisa”.

Jarbas, o Judiciário nunca esteve tão em voga. Fala-se muito, mas para os leigos, o que faz o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais?

Administra e representa o Ministério Público, promove ações judiciais dentro da sua competência originária. Nos tribunais, atua nas causas de maior relevância para a sociedade.

Brevemente, o que já fez e pretende fazer até 2022?

Aumentar o combate à corrupção e ao crime. Investir mais nos métodos adequados de resolução de conflitos, como a conciliação, para permitir o desenvolvimento do Estado, por meio do diálogo, em detrimento da judicialização, sempre cumprindo a lei.

Pessoalmente, como vê os papéis e poderes onipresentes do Judiciário no Brasil?

Acredito estar havendo a inversão de funções. O Poder Judiciário, algumas vezes, legislando e desejando governar. Outras vezes, o Poder Legislativo avançando sobre matérias que são do Poder Executivo e do próprio Judiciário. E o Poder Executivo, muitas vezes, deixando de cumprir o seu papel, permitindo que os outros poderes interfiram demasiadamente. Acredito que o Poder Executivo, sobretudo, deva atuar como o “paizão” - aquele que agrega. E o que temos presenciado, na maioria das vezes, é o contrário que culmina no acirramento de ânimos, algo bem prejudicial ao país.

E o mais recente título, o de Cidadão Benemérito de Montes Claros? Qual o sentimento mais caro nesta honra?

Conheço bem Montes Claros e sei que o povo de lá é muito econômico quando o assunto é homenagem. Eles prezam muito os valores da própria Montes Claros. Então, receber o título de Cidadão Benemérito de Montes Claro - que eu não mereço - atende o coração de toda a minha família. Meu pai é de lá, foi criado lá e eu sei o quanto esta manifestação de apreço representa para o povo de Montes Claros. Então, sinto-me muito contemplado em ser Cidadão Benemérito da terra de Ciro dos Anjos, Darcy Ribeiro, Godofredo Guedes, Beto Guedes e tantos outros. Pessoas importantes para o país.

O procurador Jarbas tem planos políticos ou continua na Procuradoria, o que já é uma grande missão?

O Ministério Público faz parte da minha vida desde muito jovem. Tenho mais de 30 anos de Ministério Público e vivi todas as emoções e funções que a instituição pode permitir. No momento em que você abre uma porta do Ministério Público para política de fora - a partidária, você fecha a outra, que é a da Justiça. O meu caminho sempre será o da Justiça, buscando o melhor para o exercício das funções do Ministério Público.