Paulo Navarro | sábado, 19 de janeiro de 2019

Foto: Teresa Cristina Motta

Talento otimista

Estética facial, pigmentação, dermopigmentação, maquiagem definitiva. Palavras complicadas para fazer, realçar a beleza. Praias do nosso entrevistado, Luiz Fernando Grillo. Profissional sério, amigo de indomável e impagável bom humor. Sempre pronto para todos, todas e tudo. E ainda tem tempo para ser, estar feliz. Estar, ser otimista com este novo Brasil, como este ano novo cheio de 2019.

Pra começar, apresente-se rapidamente ao nosso respeitável público.

Nasci nos anos 1950, no Rio de Janeiro, precisamente no bairro da Urca. Estudei Jornalismo, mas migrei, há 33 anos, para a estética, trabalhando ao lado de meu companheiro, o cirurgião plástico Mário Franzen de Lima, na área da micropigmentação, unindo o útil ao agradável!

Gostou, está gostando do Brasil novo?

Ah, o Brasil! Quanto desperdício de tudo! “Quanta falta de absurdo!”, kkkkkkk... Vi melhoras nesta limpeza geral que tivemos em outubro. Sinto-me feliz com o fim da esquerda tupiniquim que – atenção! – não está morta.

Pronto para 2019?

A nação foi sangrada impiedosamente, mas estou otimista. E desprezo quem está torcendo para que não dê certo! Afinal, estamos todos no mesmo barco remendado.

Você, que deixa toda mulher mais bela, em seu “melhor papel”, tem uma definição de beleza?

Pergunta difícil. Beleza é um estado de espírito e, como a arte, é o que eu e você chamamos de beleza. Mas a tecnologia ajuda. Por exemplo, no meu trabalho. A dermopigmentação, bem executada, aumenta a autoestima. Certamente, não basta apenas ter equipamentos de última geração; experiência e perícia são fundamentais. Aprendi a lidar com casos muito diversos, tanto na pigmentação da auréola mamária, quanto na alopecia de variados tipos.

Você é um homem de reconhecida cultura e bom gosto. O que é para você, “fina porcelana”, no Brasil e no mundo?

Para começar, gente educada, civilizada, generosa. Gente que cumpre o que promete, coisa rara no Brasil.

Você ainda gosta da noite ou está acompanhando a tendência de que o melhor programa é ficar em casa, sozinho e bem acompanhado?

Atualmente, penso que boa romaria faz quem de casa não sai. Amo minha companhia, meus discos e minha clientes fiéis! Tenho grande apreço por minhas clientes, muitas tornam-se amigas.

Se não, qual o melhor programa em BH?

Atualmente, muito não é muito pouco. É pouco mesmo. Vou à academia e não falho aniversário dos amigos verdadeiros, sempre um prazer. E olha que, com prazer, é mais caro, kkkkkkkkkkk.

Como anda a elegância nestes tempos de cólera?

Não anda, manca! Kkkkkk; muito ódio e pouco respeito à ética pelo caminho. E descobri que, das belezas, a única que não morre é a elegância!

Para terminar, qual a filosofia para curtir e gostar das boas coisas da vida?

Não lembro-me de alguma filosofia, mas gosto muito deste provérbio chinês: “Sempre fica um pouco de perfume nas mãos de quem oferece flores”.