Paulo Navarro | sábado, 17 de abril de 2021

Entrevista com a sócia-fundadora da Multicult e diretora da CASACOR Minas Gerais, Juliana Grillo. Foto: Henrique Gualtieri

Aquarela da Bailarina

Na foto está a linda e elegante Juliana Grillo, sócia-fundadora da Multicult e diretora da CASACOR Minas Gerais. Na entrevista, está o lado “Ciranda da Bailarina”, de Chico Buarque: “Procurando bem, todo mundo tem marca de vacina, sala sem mobília, goteira na vasilha, problema na família. Só a bailarina que não tem. Procurando bem, nem todo mundo tem a trajetória e o talento de Juliana.

Juliana, consegue resumir 30 anos de cultura e arte em BH?

Um florescimento extraordinário da cultura e da arte em BH. Grupo Corpo, 1º Ato, Galpão, Giramundo, Clube da Esquina, nossas orquestras e Inhotim. Na CASACOR Minas, são mais de 20 anos fomentando o design local e esse cenário cultural.

Qual a tua formação original?

Em dança. Sou bailarina clássica diplomada pela Royal Academy of Dancing, de Londres. Dancei profissionalmente dos 16 aos 30 anos, viajando pelo Brasil e exterior. Também tive minha própria escola de dança. 

O que é a Multicult?

A Multicult é uma empresa criada por mim e pelo Eduardo Faleiro. Ela é especializada em ações e serviços nas áreas de Planejamento, Curadoria, Produção e Articulação para eventos, projetos e iniciativas nas áreas de Arquitetura, Cultura, Design, Gastronomia e Contemporaneidade.

E o chique capítulo CASACOR Minas?

Na CASACOR comecei como “hostess” e captando patrocínios, à época, comandada por Ernesto Lolato e João Grillo. Atualmente exerço a função de Diretora Comercial e Financeira da mostra, o que também não é inédito para mim, já que estive por muitos anos na direção de uma escola e de um grupo, cuidando tanto da parte artística como administrativa. A CASACOR Minas é um projeto lindo e muito relevante, que me dá muito orgulho de fazer parte. 

Foi a CASACOR que te levou à restauração ou o contrário?

O projeto de restauro surge a partir da CASACOR Minas. Foi a partir da mostra que começamos a nos interessar por desvendar as belezas da nossa cidade. Desde o início da mostra, temos uma preocupação em apresentar, dar visibilidade de alguma forma para construções icônicas da cidade. 

Que outros capítulos formam o livro CASACOR para Juliana?

Criamos um evento sólido, de proporções gigantescas, que influencia de forma positiva não apenas o mercado, mas também o estilo de vida das pessoas. Oferecemos design, arquitetura, paisagismo, cultura, gastronomia, sustentabilidade, negócios, inovação, entretenimento, inspiração e network em um só lugar. Que outro evento consegue ser tão plural como a CASACOR?  

Como vai a Juliana 2020/2021?

Uma mulher que, apesar de todo o cenário negativo que estamos vivendo, mantém a esperança de que dias melhores virão.

E a CASACOR 2020/2021?

Em setembro/outubro, no Palácio das Mangabeiras. 

Como e o que espera de 2022?

Um ano de muitas oportunidades e de crescimento para todos os brasileiros, uma espécie de Renascimento, assim como ocorreu na Europa entre os séculos 14 e 17.