Paulo Navarro | sábado, 16 de outubro de 2021

Fabíola Moulin, secretária municipal de Cultura de BH. Foto: Ricardo Laf

Cultural e literal

Hoje, meia-noite, na virada do dia 16 para 17, a Virada Cultural de Belo Horizonte 2021. Claro, o evento será online e gratuito. Uma mostra dos talentos da cidade, valorizando seus movimentos, artistas e coletivos das mais diversas vertentes. E na Virada a diversidade só aumenta. Mais detalhes com a secretária municipal de Cultura, Fabíola Moulin. O endereço é: viradacultural.pbh.gov.br

Fabíola, pronta para a Virada Cultural?

Sim, convidamos a população do país para virar junto com a gente, desta vez de forma diferente!

 Virada cultural rimando com virtual?

Totalmente. Será “online” diante dos cuidados ainda necessários. Experiência de ocupação quase 100% virtual, com diversas atrações dos mais variados estilos.

Quais as principais atrações entre as 103 oferecidas?

Os artistas da RMBH serão destaque na programação gratuita em apresentações de música, teatro, dança, circo, artes visuais, cinema, cultura popular, literatura, moda e design, atividades de bem-estar e saúde, intervenções urbanas e gastronomia. Além dos mais de 100 artistas selecionados via cadastro, atrações de projetos parceiros.

Qual público é esperado em quantidade e de que perfil?

Tem atrações para todo gosto e toda idade. Ainda não dá para mensurar o público. O formato “online” atravessa as fronteiras físicas, projetando a programação, os artistas e a cidade para o mundo, pela web.

Como se faz uma virada “online”?

Com o mesmo cuidado, atenção e carinho das demais, adequada ao formato virtual. Avançando na tecnologia necessária, observando e seguindo todos os protocolos sanitários, sem deixar de lado a construção de uma programação diversa e inclusiva, que contemple os vários territórios da cidade.

As pessoas vão “virar a noite” em frente ao telefone ou notebook, é isso?

É o convite! A programação poderá ser vista por celular, TV, computador ou outro dispositivo com acesso à internet. As atrações serão exibidas exclusivamente ao vivo, não ficarão disponíveis depois do evento.

A Virada será um tipo de vacina ou anestesia contra a crise, para os artistas?

A Virada é resultado das políticas públicas, como outros projetos, programas e festivais que a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, vem oferecendo à cidade neste momento difícil. Além de garantir a realização deste evento, parte do calendário oficial da cidade, amado e esperado pelo público, a Virada 2021 vai movimentar a economia e a cadeia da cultura.

As instalações pela cidade são o único lado “real e presencial”? Quais serão elas?

Estão previstas instalações urbanas em formatos que não provoquem aglomerações, como projeções e intervenções artísticas. Fora isso, a Virada Cultural 2021 será totalmente “online”.

E em 2022? O normal, maior e melhor?

Esperamos que sim, vai depender de como estará o cenário sanitário com a pandemia da Covid-19.