Paulo Navarro | quinta, 31 de dezembro de 2020

O presidente da Usiminas, Sérgio Leite, dando e o prefeito Alexandre Kalil recebendo “O” presente para BH, o Hospital Usiminas. Foto: Divulgação

Que beleza!

Que tal, no último dia deste ano terrível, tentarmos uma coluna só com boas notícias? Afinal, só as moedas de um charlatão não têm dois lados diferentes. Comecemos pelo dia 13 e o presidente da Usiminas, Sergio Leite, com o prefeito Alexandre Kalil e outros executivos da empresa e da Fundação São Francisco Xavier – FSFX, apresentando o projeto do Hospital Usiminas, que será implantado no prédio da sede em BH.

Que presteza!

"É uma grande alegria contribuir com um aspecto tão importante na vida das pessoas quanto a saúde”, afirmou Leite. Kalil considerou o projeto como um presente para os belorizontinos. “Em quatro anos à frente da prefeitura recebemos muitas propostas, sempre com alguma contrapartida. Hoje foi diferente. A Usiminas trouxe um presente para a população de Belo Horizonte”.

Que certeza!

“Um novo hospital, com atendimento ao SUS e, em especial, custeado por entidade privada, que é um ponto importante para o setor público. Reforço nosso agradecimento à empresa pela iniciativa”, ressaltou o prefeito. No encontro, foram apresentados ainda diversos dados sobre o projeto, como número de empregos que deverão ser gerados pelas obras, entre outros.

Outra boa

A Vale e o Instituto Cultural Vale anunciaram, dia 22, os projetos selecionados para receber recursos via Lei de Incentivo à Cultura (LIC) em 2020, para iniciativas executadas ao longo de 2021. O total de patrocínios teve aumento significativo em relação aos repasses de 2019, alcançando R$154 milhões, o que permitiu triplicar o total de propostas contempladas em relação a 2019.

Outra ótima

Ao todo, 145 projetos foram selecionados, entre os quais 77 de escolha direta e 68 pela 1ª Chamada Vale de Patrocínios Culturais. Seu edital, lançado em 2020 com valor inicialmente estabelecido em R$20 milhões, teve total elevado para R$25 milhões, o que possibilitou contemplar um número maior de iniciativas. Em Minas, serão realizados 51 projetos, com investimento superior a R$55 milhões.

O sempre incansável socialite Wagner Alcântara e Ivana Ximenes, ela bombando no mercado imobiliário. Foto: Arquivo Pessoal

Curtas & Finas

*Ainda sobre a Vale. Os projetos selecionados contemplam o patrimônio, a música, festividades e circulação, museus e centros culturais.

Desses, 51 projetos, 22 foram selecionados por escolha direta e 29 pela Chamada Vale.

São 33 projetos de proponentes mineiros, que receberão no total cerca de R$46,5 milhões.

Entre os que foram escolhidos por seleção direta, estão o Instituto Inhotim, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Ouro Preto, Grupo Galpão.

Museu de Congonhas, Museu do Oratório, Flitabira Festival Literário de Itabira, Grupo Corpo e 26º Cine OP.

E também a reforma e modernização do Teatro Atiaia, o único de Governador Valadares e a restauração da Igreja Matriz de Nossa Senhora Da Piedade do Paraopeba, em Brumadinho.

*A rede de supermercados Super Nosso firmou parceria com a Be Honest, um modelo inovador de mercado de conveniência, já presente em diversos condomínios de Belo Horizonte.

Com o propósito de disseminar a honestidade, três jovens se uniram para criar um mercado de conveniência especial.

O “honest Market” ou “mercado da honestidade” não tem funcionário, catraca, câmeras de reconhecimento facial ou qualquer outra forma de controle e funciona.

Tamanha visão de mercado e força de propósito chamaram atenção do Grupo Super Nosso, que acaba de adquirir uma participação na Be Honest.

Já são mais de 50 unidades, sempre em condomínios residenciais e ofertando cerca de 300 itens de conveniência, como alimentos, higiene e limpeza.

“Queremos ser solução, rápida, confiável e descomplicada. A Be Honest concretiza ainda mais nossa proposta”, afirma Rodolfo Nejm, vice-presidente do Grupo Super Nosso.