Paulo Navarro | quinta, 24 de junho de 2021

Cadeiras cativantes

A Arena MRV deu início à venda do segundo lote de cadeiras cativas. Somente nos dois primeiros dias foram arrecadados cerca de R$10 milhões, que serão investidos na construção da Arena MRV. Esse valor é fundamental para que a obra da futura casa do Clube “Galo” Atlético Mineiro continue em ritmo acelerado.

Cadeiras sedutoras

Das 781 cadeiras do Setor I, há apenas 132 disponíveis. Já foram vendidas ou estão aguardando pagamento 649 unidades, 83% do total. O torcedor que adquirir uma cadeira cativa na Arena MRV poderá assistir a todos os jogos oficiais com mando do Galo por 15 anos, na arquibancada oeste inferior, sem precisar de ingressos, com conforto e excelente vista do campo.

 

A deusa do vinho, entre outros reinados, Ludmila Rettore Tamietti. Foto: Victoria Tamietti

Mulher vinho

Ludmila Rettore Tamietti é “advogada de formação e empresária do ramo de restaurantes por paixão”. Neste exato agora divulga o Brasil de Vinhos, as diferentes e novas regiões produtoras e os vinhos brasileiros de excelente qualidade que temos produzido. Ludmila também é uma das proprietárias e responsável por eventos do Restaurante Topo do Mundo, na Torre Panorâmica do Alta Villa, em Nova Lima.

Vinho amigo

Dos jantares harmonizados veio o amor e fascinação pelos vinhos. Depois de contato com produtores do mundo todo, nasceram a curiosidade e a grata surpresa com os vinhos brasileiros. Assim surgiu a Enoteca Brasileira, com o amigo e sócio, o “winemaker” Erich Ventura, antigo parceiro comercial, focando em vinhos de Vinícolas Boutique, entre tradicionais e novas, de diferentes regiões.

Vinho nacional

Acabou o tal de “o vinho brasileiro não é bom”, incomodando, no melhor dos sentidos, até os vizinhos chilenos. Os grandes do mercado, como Laércio Cosentino, fundador da TOTvs, com sócios, investiu em uma plataforma só para produtos brasileiros, englobando mestres do sul do país. Os pequenos produtores de São Paulo e Minas merecem o mesmo destaque. Vinhos premiados em avaliações internacionais de destaque e renome mundial.

Vinho regional

São Paulo, por exemplo, é o Napa Valley Brasileiro, remetendo à expansão da produção verificada na região de Napa, nos Estados Unidos. Entre tesouros gaúchos, paulistas e catarinenses; em Andradas, Minas, Ludmila recomenda o Villa Mosconi Pinot Noir - Villa Mosconi.

Vinho mágico

A “sereia” Ludmila continua seu canto do bem: “Nos cinco primeiros meses do ano 2020, o consumo de vinhos no Brasil cresceu 15% e sua comercialização aumentou de 117% de março a maio, segundo dados da Ideal Consulting, em comparação ao mesmo período de 2019. Nada a ver com a alta do dólar. Na pandemia, constatou-se um aumento da interação dos produtores nacionais, de grande ou pequeno portes”.

Vinhos gerais

Tudo “via redes sociais, ‘lives’ e degustações à distância. O “Descobrimento do Brasil” não se restringiu ao tradicional sul do país, mas em diferentes regiões, diferentes “terroirs”, verdadeira riqueza em cultura e qualidade, até então desconhecida por muitos. Daí, a Enoteca Brasileira e seu ouro líquido.

Vinhos especiais

Além do Topo do Mundo, o projeto da Enoteca está também junto aos selecionados produtos do Empório Floriano que atende aos condomínios no Vale dos Cristais e Villa da Serra. Circula também em estâncias turísticas e roteiros de inverno com Campos do Jordão e no Armazém Rural, na tradicional praça Tiradentes, em Ouro Preto.

Vinhos campeões

No portfólio da Enoteca Brasileira, a experiência do vinho brasileiro, nas mais diversas regiões; na Campanha Gaúcha, Vale dos Vinhedos, Campos de Cima da Serra, Serra Catarinense, Leste Paulista, Vale do Baú; sul de Minas Gerais, Vale do Jequitinhonha, Bahia, Rio de Janeiro. Para terminar em beleza, no mesmo Topo do Mundo, dia 26, às 16h30, o evento “Sunset – Música e Gastronomia ao Pôr do Sol”, para convidados e com o DJ Maurício Maoli.

Curtas & Finas

*Por falar em vinhos e Vale dos Vinhedos, vale recordarmos mais uma deliciosa aventura de Denise e Sérgio Leite, presidente da Usiminas.

Em setembro e outubro de 2020, Denise, pela segunda vez, e Sérgio, pela sexta, passaram duas semanas em Estudos dos Vinhos Brasileiros no Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul.

O Vale dos Vinhedos é a única Região DOC (Denominação de Origem Controlada) do Brasil.

3.350 km percorridos de carro, 15 Vinícolas visitadas, mais de 100 rótulos degustados e mais de 100 garrafas adquiridas de vinhos de alta qualidade.

A região possui cerca de 80 Vinícolas, a grande maioria Vinícolas Boutiques, com produções variando de 30 mil a 300 mil garrafas por ano.

Uma grande vinícola, de nível mundial, produz, no mínimo, 40 milhões de garrafas por ano.

No Brasil, as maiores produzem de 10 a 15 milhões de garrafas por ano.

Nesta 6ª Viagem, constataram significativa evolução desde a década de 90, com vinícolas modernas, atualizadas tecnologicamente e espaços muito acolhedores.

Quanto aos espumantes, já produzimos dezenas de rótulos de qualidade mundial. Em vinhos brancos, idem.

Focando os vinhos tintos, acabou, de novo, a lenda de que não produzíamos bons rótulos.

Após 30 anos de estudos, vimos e provamos que nossos vinhos estão entre os melhores tintos do Novo Mundo.

Com a qualidade, por exemplo, dos argentinos, chilenos e australianos.

O desafio, para as próximas décadas, é atingir a excelência dos franceses, italianos, portugueses e espanhóis.

E vem aí a sétima expedição ao segundo lar de Baco e Dionísio.

*O Hospital São Lucas, que faz parte do Grupo Santa Casa BH, acaba de adquirir o primeiro robô especializado em cirurgias ortopédicas - substituição total do joelho por prótese - de Minas Gerais.

O Rosa, como foi batizado pela empresa desenvolvedora, a multinacional Zimmer Biomet, tem a tecnologia mais avançada do mundo.

 

Hoje, às 19h, na Casa Fiat de Cultura, o estilista Lorenzo Merlino, em agradável tertúlia virtual, ao vivo. Foto: Fernando Silveira

*A convite da Casa Fiat de Cultura, o estilista Lorenzo Merlino participa de bate-papo virtual, ao vivo, hoje, às 19h, pelo Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+.

Merlino apresentará perspectiva histórica da temática LGBTQIA+ na arte.

Desde a Antiguidade até as expressões contemporâneas, como a Gay Art e a Queer Art, na passagem do século 20 ao 21.

As inscrições, gratuitas, podem ser feitas pela plataforma Sympla.

Quem faz e acontece passa por aqui

 

Henrique Portugal, Alexandre Michalick, Luiz Marsaioli e Luiz Henrique Michalick,  no restaurante Pobre Juan, no BH Shopping, que  está sim aberto, deliciosamente, aos domingos. Foto: Arquivo Pessoal

O pianista Paulo Coscardo e a assessora Alessandra Razo. Foto: Arquivo pessoal