Paulo Navarro | quarta-feira, 9 de setembro de 2020

A linda engenheira, aniversariante e dona do dia, Vanuza Martins

Foto: Edy Fernandes


Mapa da Mina

Ao lado do chef Leonardo Paixão e da linda Taís Civitarese, o vereador e “garçom” por um dia – o próximo sábado – Gabriel Azevedo, abre seu Mina Jazz Bar, no antigo Salão de Música do Automóvel Clube: “Queremos que o mundo inteiro venha aqui para transformarmos nosso município, gerando emprego, lazer e turismo. A música fica por conta de Jimmy Duchowny. Arquitetura assinada por Cristiano Sá Motta. Essa crise vai passar. Vamos beber. Vamos prevalecer”.


O nome dele é Reiller, Alex Reiller, com L, de Luxo

Foto: Arquivo Pessoal

A hora do luxo

Na coluna de hoje, retomamos o prazer da reflexão do amigo Alex Reiller, sobre “Mercado do luxo – Bonding com o consumidor”. Antes, pequena tradução. “Bonding” não vem de “Bond, James Bond”; quer dizer ligação. Fala Alex: “Morei em Milão, Itália, por 13 anos. Em 2018 retomei o sonho e entusiasmo de voltar para minha amada São Paulo. Foram anos maravilhosos, regados de muito sucesso e de muito trabalho”.

A hora do sonho

“Tinha uma empresa de eventos de luxo em Milão e, paralelamente, uma vinícola no coração da Toscana, Montalcino, em sociedade com o locutor Galvão Bueno. Até que, em dado momento, não consegui enxergar potencial de crescimento no formato que sempre sonhei. Retomei meus sonhos, projetos e emplaquei na maravilhosa e concorrida São Paulo, amo desafios”.

A hora do Brasil 

“No Brasil continuo atuando em eventos de luxo e cuido de projetos especiais do artista Kobra, um dos maiores ‘street artists’ no mundo. Entre seus clientes, Madonna, Bono Vox, Kaká, Neymar e outros. São Paulo tem muita força para o mercado do luxo, mentalidade internacional; abraça e recebe muito bem os talentosos e batalhadores. Até março, realizávamos vários eventos, o mercado da arte bem aquecido, projetos maravilhosos, quando, então, o planeta se depara com a Covid-19”.

A hora da reflexão

“Acredito em certos valores que para mim são pilares: propósito, empatia, respeito e cultura da doação. Para muitos, este momento de pandemia serviu, no mínimo, como reflexão. Trouxe-nos o cruzamento de duas pandemias, a da saúde e a econômica. Com isso, tudo e todos precisaram rever seus conceitos e reposicionar os reais propósitos dentro de cada negócio. O mercado do luxo claramente está completamente ligado a esta nova era”.

A hora da ação 

“Penso que não é hora de as marcas pensarem em vendas, as marcas têm que pensar em ‘bonding’, processo no qual um envolvimento emocional é desenvolvido. Temos ótimos exemplos de marcas de luxo que usaram suas fábricas de perfumaria para a produção de álcool em gel, visando os profissionais da saúde e hospitais na Europa, como é o caso da Louis Vuitton”.

A hora do futuro

“Prada, Bvlgari, Armani e Versace também são algumas das marcas que se empenharam na linha de frente neste delicado momento com doações de UTIs e EPIs atores da saúde. Certamente, os consumidores lembrarão mais facilmente e terão ainda maior predisposição à aquisição de novos produtos de marcas que se engajaram com um real propósito dentro da sua companhia”.


Curtas & Finas

* Por falar em luxo, muitas vezes ele é sinônimo de dinheiro. E por falar em muito dinheiro, falemos de MacKenzie Scott.

Ax-mulher de Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, é a mulher mais rica do mundo, com uma fortuna de US$ 68 bilhões.

A soma equivale a um quarto das ações de Bezos na Amazon, como acordo do divórcio, em 2019.

No ranking geral ela ocupa agora o posto de 12° bilionária e entre as mais ricas do mundo. MacKenzie deixou para trás a dona da L’Oréal, Françoise Bettencourt Meyers, e uma das herdeiras da Walmart, Alice Walton.

Em julho, MacKenzie doou cerca de US$ 1,7 bilhão a 116 organizações. Parte das doações foi para quatro universidades com foco em estudantes negros. Suas ações, na maioria, atingem organizações preocupadas com igualdade racial e mudança climática.

Com a pandemia, o mercado da Amazon aumentou, claro. É o serviço da “moda”, da “hora”, incontornável. Nos últimos três meses, as ações da Amazon saltaram mais de 28% e chegaram a uma valorização de 90% neste ano. Para o “pobre” Bezos, isso é incremento de US$ 200 bilhões em sua fortuna pessoal, o que o torna o homem mais rico do mundo.

* Enquanto isso, nas redes sociais da Casa Fiat de Cultura, nos dias 11, 18 e 25, a exposição “Mau Olhado Bem Olhado II”, na Piccola Galleria. A ser apreciada sem moderação e por meio de percursos temáticos virtuais apresentados pelo Programa Educativo.

São cinco instalações em que performance e conceito se misturam para provocar reflexões. A afirmação e resistência do negro, com ressignificação do seu papel social e a relação entre duas pessoas, suas dificuldades e construções são apresentadas em vestígios do corpo, do olhar e da transformação.

Escolas e grupos podem agendar uma visita mediada virtual pelo e-mail agendamento@fcagroup.com.

* Com prazer e honra abraçamos o projeto Sebo do Seu Odilon que teve os livros queimados e agora precisa de uma “livraria ambulante”, um ônibus, para seus livros usados. Precisa-se de ajuda para tirar esse projeto do papel! Falta menos de uma semana (até dia 11) para acabar a campanha e ainda falta muito a arrecadar.

É tudo ou nada! Se o valor total não for alcançado, o dinheiro de quem doou será devolvido, e o projeto "morre". Apoie com o valor que quiser ou compre um livro sortido (R$ 30) pelo link que está nos endereços: #sebodoseuodilon e https://evoe.cc/sebo-de-livros-do-seu-odilon.