Paulo Navarro | quarta-feira, 1º de abril de 2020

Entre amigos e ao lado da namorada, Melca Antunes, o delegado Vinicius Dias celebrou seu aniversário no Bar D’Otel

Foto: Real Fotos


O jornalista Thiago Romano comemora o lançamento da sua nova empresa, a Romano Comunicação

Foto: Letícia Souza


Diário da peste 

Acabou a quarentena no Brasil e no mundo. Desde ontem, morreu mais ninguém no mundo e no Brasil. A pandemia está controlada e, logo, completamente extirpada. Podem retomar suas vidas e atividades normais. Liberou geral, vale tudo! Bem que queríamos escrever isso, mas, 1º de abril! Dia da Mentira. Mil perdões pela brincadeira e voltemos às variações sobre o mesmo tema, tema único, o coronavírus.

Diário do Corona 

Em 1722, o autor do clássico da quarentena, “Robinson Crusoé”, Daniel Defoe, publicou, no Reino Unido, “Um Diário do Ano da Peste”, sobre a epidemia de peste bubônica que matou 70.000 pessoas em Londres, em 1665. Como cada época tem o diário que merece, voltemos à nossa Covid-19.

Diário do vírus 

A frase, atribuída ao filósofo grego Sócrates (469 a.C. - 399 a.C.) – “Só sei que nada sei ou sei uma coisa: que eu nada sei”, cabe perfeitamente nesta pandemia, em 2020. A cada minuto uma autoridade fala uma coisa, depois, um especialista diz o contrário. Em quem acreditar?

Diário da confusão 

O que vivemos é também uma pandemia de desinformação e de “fake news”, misturando tragédias, política, economia, saúde e oportunismo, no mesmo estojo de primeiros socorros. Por isso, preferimos falar de coisas vistas, atestadas; bons exemplos, histórias construtivas que deveriam prevalecer e circular. Como a população, no interior do Brasil, que, em postos da Polícia Rodoviária Federal, com a ajuda dos policiais, distribuem “quentinhas” aos motoristas de caminhão que não têm onde almoçar.


Curtas & Finas

* Continuando boas notícias e ótimos exemplos em tempos nunca vividos, uma notícia do colega Ancelmo Gois, em “O Globo” do dia 29...

“Convide 19”: a nova campanha para doação de alimentos e produtos de higiene. A ideia surgiu em Teresópolis (RJ), em referência, claro, ao coronavírus.

A proposta é que cada pessoa convide outras 19 a doarem alimentos e produtos de higiene pessoal. E também dinheiro (para a compra desses mantimentos), para quem mais precisa.

Em menos de 24 horas, entre quinta e sexta, da semana passada, mais de R$ 6 mil já tinham sido doados.

* Outra linda notícia que poderia acontecer em “épocas normais”, também os milionários e bilionários brasileiros praticando a solidariedade: “Doações privadas para combate ao coronavírus já ultrapassam R$ 386,6 milhões”.

“Mais de 60 companhias farão doações que incluem dinheiro, produtos e serviços”.

* Piada do dia, do momento e da situação, para descontrair: “Não vejo a hora de progredir para o semiaberto”.