Paulo Navarro | quarta-feira, 17 de junho de 2020

A arquiteta Ana Paula Rohlfs, se adaptando aos novos tempos e acreditando em um futuro promissor

Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Arquitetura de morar 

A premiada arquiteta e designer de interiores Ana Paula Massote Rohlfs reflete sobre algumas mudanças no setor: “O mercado de projetos de arquitetura e interiores está aquecidíssimo, com a mudança de hábitos devido à Covid-19. Apartamentos sendo adaptados para receber o modelo ‘home office’. Surpreendente a corrida em busca de moradias fora das grandes metrópoles”.

Arquitetura da hora 

“A bola da vez é morar em meio ao ar puro, trabalhar dentro de casa com cheirinho da natureza, alimentar-se de produtos retirados da própria horta, preservar e valorizar o essencial, estar mais próximo daqueles que amamos e uma vida mais intimista. A saúde está em destaque”.

Arquitetura de viver 

“Portanto, residências, empresas, hotéis etc. terão que se adaptar com menos mobiliário, tecidos e tudo que possa ser contaminado. Daí o retorno ao minimalismo, em função da saúde! Antes da pandemia, as visitas presenciais nas obras ficavam à mercê da agenda do escritório”.

Arquitetura de sobreviver

“Agora basta um vídeo, uma reunião virtual entre as partes, e as soluções são enviadas por nós, em tempo real. Essa prática é imprescindível e os profissionais terão que se adaptar aos novos tempos. No novo normal da arquitetura ficará mais fácil o cliente buscar um arquiteto que mais o agrade em qualquer ponto do planeta. Nosso escritório tem expertise neste novo normal já há bastante tempo; usando as ferramentas virtuais que nos permitiram ter inúmeros projetos concluídos e em andamento”.

Arquitetura de reinventar

E finaliza Ana Paulas: “São projetos em cidades – além de BH – como Miami, Manaus, São Paulo, Valadares, Teófilo Otoni e Brasília, entre outras. Temos um projeto no sul de Minas, iniciado durante a Covid-19 e, por isso, não fui ao local. Mas com tantas ferramentas virtuais, o projeto já está aprovado pela cliente e em andamento: marcenaria e outros serviços. Se a pandemia não passar rápido, o projeto será concluído sem ter tido necessidade de irmos à cidade”.


“Os dias felizes eram assim”: os cantores Bruno e Marrone emoldurando a jornalista Karina Vianello

Foto: Edy Fernandes


Respirando arte 

O Itaú Cultural abre as inscrições para o edital de audiovisual dentro do “Arte como respiro: múltiplos editais de emergência”. Descobertas e/ou redescobertas é o tema proposto pela instituição para o seu sexto edital emergencial, agora voltado para profissionais criativos ou técnicos do setor de audiovisual. Como nos anteriores: artes cênicas, música, artes visuais, poesia surda e literatura. Inscrições até às 23h59 de hoje, pelo https://itaucultural.formstack.com/forms/artecomorespiro_audiovisual.