Ócio criativo

A bela e talentosa arquiteta Ana Paula Rohlfs
Foto: Edy Fernandes

As amigas Barbara Maciel e Giselle SaidFoto: Edy Fernandes

Ócio criativo
A overdose de feriados e feriadões no Brasil acaba com nossa sorumbática e catatônica Economia. O negócio então é levar vantagem sobre estes dias de duplo sentido; inúteis, "ma non troppo". Dias de ócio servem para muita coisa, até para trabalhar. Delícia para uns, por exemplo, é ler livros, revistas, jornais antigos. Numa revista VIP de 1996, um cartão oferecia o serviço top, pasmem, por fax!

Ócio recreativo

Revezando com novelas e contos de Machado de Assis e Lima Barreto, outra pérola, ainda maior, na revista Veja de 29 de julho de 2009. Mais especificamente a coluna de Millôr Fernandes (1923-2012), discorrendo, com sua saudosa incorreção política, sobre o aiatolá Khomeini.

Ócio perigoso
Mais precisamente sobre as leis do Livro Verde de Khomeini (1902-1989), comparando-o ao Vermelho de Mao Tsé Tung (1893-1976) e ao Rosa de Juan Perón (1895-1974). Exemplo do melhor de Millôr sobre o líder máximo iraniano: "É proibido casar com a mãe, com a irmã ou com a sogra".

Ócio profético
Outra lei do aiatolá, "No coito, se o pênis penetrar completamente a vagina da mulher ou o ânus do homem, as duas pessoas ficarão impuras". Fosse vivo, Khomeini promulgaria uma fatwa (édito religioso muçulmano) exigindo a morte de Millôr, como ordenou contra o autor de "Versos Satânicos", o indo-britânico Salman Rushdie. Destoando completamente do tema, numa frase no alto da página, Millôr avisava: "Serra, cuidado com o Aécio. O mineiro nunca é o que parece. Sobretudo quando parece o que é".

Curtas & Finas

* Em O Globo de 2 de maio de 2017, Ancelmo Gois contava: "A estátua de Otto Lara Resende mostra o grande escritor mineiro com um livro na mão, ao lado de um telefone".
"Fica no Jardim Botânico, Rio, e é obra do artista Joás Pereira. Mas Otto, que viveu quando os celulares não eram tão populares, detestava falar ao telefone".
"A um repórter que ligou para sua casa, o escritor respondeu: 'Acabei de sair'”.
"Numa longa entrevista, Otto explicou sua ojeriza com o aparelho: 'Devemos a Graham Bell o fato de estarmos em qualquer lugar do mundo e alguém nos chatear por telefone'".
"'É um instrumento contra a solidão. Só que a solidão, às vezes, é absolutamente necessária'”.

* A Associação Mineira de Reabilitação (AMR), que atende 500 crianças e adolescentes com deficiência física e em situação de vulnerabilidade recebe doações para a compra de alimentos.
Doações para a campanha: “Ano Novo de Prato Cheio” pelo amar.amr.org.br, via boleto ou cartão de crédito.