O berço da saúva

Os felizes noivos Miriam Guzella e Guilherme Oliveira no Fleming Recepções, na Pampulha.
Foto: Amira Hissa

O berço da saúva

"Há séculos", mais ou menos e com certeza quando a capital do Brasil virou Brasília, o Rio de Janeiro entrou numa decadência sem fim. Sem fim porque está cada vez pior. Mas é certo que, com a mudança de endereço do poder, o Rio perdeu muito em charme e poder econômico. Foi também o "fim do Brasil" e o início das maracutaias longe do povo, protegidas, livres e isoladas no coração do Brasil.

O ninho da saúva

Raposas (canalhas) políticas morrem de medo do funcionalismo público. Por que? Porque é "imexível", eterno, infinito, numeroso e, claro, vota. Por isso, há muito, do Rio de Janeiro à Barbacena, passando e morando em Brasília, o dinheiro está com os altos funcionários públicos.

O segredo da saúva

Nesta crise sem fim, os aposentados são arrimo de família. E na esteira deles, os altos funcionários públicos são arrimo do país e da Economia. São os únicos com poder aquisitivo. Deitam e rolam  e alguns não estão nem aí para o resto da população, do alto de seus direitos adquiridos, muitas vezes, oriundos de tenebrosas transações, nomeações, etc.

O vício da saúva

Quem alimenta a maior parte da economia são estes altos funcionários públicos, sobretudo federais, que pouco produzem, mas muito consomem e gastam. Renovando a classe, está a nova safra de concursados.  Eles movimentam grande parte do varejo como restaurantes, viagens e mil outros bens de consumo.

A praga da saúva

Os profissionais liberais perderam tudo. Não são novos os casos de engenheiros e economistas - pasmem, como em Cuba - trabalhando primeiro como taxistas e mais recentemente como motoristas do Uber.  Não é à toa a corrida desenfreada de estudantes por concursos públicos. Estabilidade, altos salários, auxílios vários, mordomias; num típico cenário de um país pobre em tudo, onde o Estado é mãe e viúva, onde a meritocracia e a criatividade são alienígenas; trabalhar e produzir é coisa de otário.

Curtas & Finas

* 9ª Mostra Internacional da Escola Americana de Belo Horizonte apresentando a Feira de Culinária.
O evento anual acontece dia 7, de 10h30 às 14h30, na Escola Americana de Belo Horizonte, com estandes de 16 países.

* O BH Shopping volta com a rotina fitness, na 2° edição do evento de ciclismo indoor Ride Experience 2018, dias 7 e 8 de abril, no estacionamento do Piso Mariana.

*Depois de um longo intervalo, a banda The Fritz volta aos palcos da capital neste fim de semana.
Com a voz forte de Mariella Saúde, eles apresentam novo repertório, cheio de sucessos do Indie Rock, no projeto Polifonia. Sábado, das 16h às 23h, na Amadoria.

 *A Federação Francesa de Tênis e a Confederação Brasileira de Tênis e a Federação Mineira de Tênis e o PIC convidam para opening cerimony do torneio Roland-Garros Jr. Wild Card Competition 2018, seguida de almoço, no próximo dia 11, no PIC-Pampulha.

* Hoje, às 18h, super lançamento do edifício Concordia Corporate da Tishman Speyer, Caparaó e Codeme, no Vale do Sereno.