E o vento levou

Colírio para os olhos e para a alma: Raquel Lima e o mar do Caribe
Foto: Paulo Navarro

E o vento levou 
Como profissional de comunicação há 30 anos, vislumbro em qualquer convite de viagem  a lazer uma oportunidade de trazer conteúdo bacana para leitores e telespectadores. O mais recente foi para integrar um tour náutico pelo Mar do Caribe. E claro, não titubeei carimbar "bingo" no duplo vicio: ócio e trabalho. Embarcamos em Nassau, Bahamas, no mega iate  Beach Front para giro de uma semana.

E o vento trouxe 
Cercado de gente boa e mordomia, num cenário de James Bond, percebi ali  a possibilidade da continuidade de um programa  para a TV ainda maior do que um outro, produzido há três anos. Como pano de fundo, atrações naturais nos principais cenários das Bahamas: mergulhos e cia.

Trouxe e levou 
Companhia de tubarões-lixa, "porcos  aquáticos" e iguanas  nas ilhas, onde o ator Johnny Depp filmou o sucesso “Piratas do Caribe”; pescarias e banhos em  praias de águas transparentes como as Sand Bar na ilha de Exuma. Iate equipado com "aparelhos esportivos" como "jet Sky", "water ski" e "stand up" também constavam do cardápio.

Trouxe e ficou 
Cardápio tão saboroso quanto o gastronômico, da chef Angie Carosin. Aí, o furacão Irma. A CNN  tagarelava sobre sua velocidade. Na lucidez de uma ressaca de Moët & Chandon: atitude! Zarpar a todo vapor para Nassau. Num raro momento de internet, nosso anfitrião conseguiu-nos um jato até o Panamá. Lá, conhecemos o drama de amigos no sul da Flórida.

Trouxe e levaria 
Neste Porto Seguro, com Wi-Fi funcionando, um tsunami de dramas de amigos em torno  da região do sul da Flórida. Pelo grupo de WhatsApp "Irma", mineiros não só relatavam situações, como buscavam saídas. Parte do nosso grupo, que arriscou embarcar para Miami, teve os voos cancelados para BH. Os mesmos foram "convidados" a  abandonar hotéis na orla. Como muita gente,  estes ainda conseguiram escapar através de estradas engarrafadas, com dificuldade para conseguir gasolina  e suprimentos.

Curtas & Finas

* No rastro do Irma, se ficar o bicho come, se correr o bicho pega, quem insistiu em ficar ou não conseguiu fugir, não encontrava água, comida, madeira para reforçar janelas e portas, etc.

Mineiros também amargaram em cruzeiros que, na véspera, reabasteceram no Porto de Miami  e zarparam para rota oposta à do furacão, claro.

Outros tiveram ordem  para deixar suas casas em Miami Beach e Key Biscayne. Coisa de louco, que jamais imaginaríamos passar.

Loucura involuntária e, não à toa, que trazemos como diário de bordo e nas imagens que registramos com filme catástrofe sem vítimas entre nós: Deus é pai! Salve!Salve!

Entre piada e verdade, o twiter de um tal Donald Trump: "Ante a iminente chegada do furacão Irma, recomendamos aos habitantes de Miami que abandonem suas casas e voltem aos seus países".

O hotel Atlantis é um ícone moderno da nova Nassau, capital das Bahamas e contrapõe com a arquitetura colonial inglesa original.

Uma referência internacional pela sua estrutura, serviços, restaurantes, emoldurada por super iates.