Cores vivas

Na inauguração da GUAJA Pop-Up, no Shopping Cidade, a gerente de Marketing do mall, Carolina Vaz, emoldurada por Bruno e Lucas Durães, proprietários do Guaja
Foto: Alessandro Carvalho


No Camarote Rio, na Sapucaí, a atriz Carol Marra
Foto: Edy Fernandes

Cores vivas
A direção da Casacor Minas recebe, dia 22, no casarão tombado da rua Sapucaí, profissionais da arquitetura e do design, além de diversos parceiros e fornecedores. O objetivo é anunciar as novidades e a temática adotada para a mostra em 2018, que é Casa Viva. O tema foi pensado para apresentar uma casa que dialogue com a contemporaneidade, trazendo ainda mais vida para dentro dos espaços.

Cores e formas
A proposta é aproximar o ser humano da natureza, encontrando  no seu lar um refúgio ideal para os amigos, familiares e pets. “É a casa que pulsa, é o espaço camaleônico adaptável às novas formas de desfrutar o convívio”, destaca Lívia Pedreira, Superintendente da Casacor.

Cores e nomes
A Casa Viva quer uma relação forte com a natureza. Das pequenas plantas aos grandes jardins, o verde é fundamental não apenas nas mostras, mas na casa das pessoas e espaços corporativos. Entre os parceiros já confirmados para esta edição estão Deca, Renault e o Jornal O TEMPO.

Brasil brasileiro
Interessante como um simples comentário vira uma tese sobre o comportamento humano. Temos a competente e linda Ludmila Gauzzi Carneiro fazendo um balanço do que foi o Carnaval em seu Tip Top, Lourdes. Primeiro ela elogia o apoio da prefeitura. Depois, faz uma elegia do trabalho, puxando a orelha dos derrotistas que criticam o Carnaval de BH: "Todo mundo que trabalhou ganhou! Enquanto você estava na cachoeira, no sítio do amigo, chapando, queimando uma carninha e reclamando do Brasil!".

Brasil atoleiro
Continua Ludmila: "O brasileiro realmente tem uma falha genética que causa a corrupção. Vi idosos arrancando a pulseirinha de acesso e passando pra quem estava do lado de fora. Eu vi! Recebi uma, inclusive. Outro erro genético do brasileiro é querer levar vantagem. Isoporzinho em festa privada é uma das coisas mais bregas que já vi na minha vida".

Curtas & Finas

* Mais Tip Top com Ludmila: "Um evento tem custo e se você quer usufruir, pelo menos contribua consumindo produtos vendidos na festa. Cerveja a R$6 não é o fim do mundo!".

"Mais de três mil pessoas e nenhum incidente! Ainda tem muita gente que gosta de trabalhar. Obrigada equipe Tip Top".
"Nicho de mercado não é moda. Vou continuar amando minha 'velha guarda' que é chique, gasta, bebe e come bem, se fantasia com as melhores roupas...".
"Aos preconceituosos: continuem rindo e observando boquiabertos o sucesso que é o Carnaval Tip Top".
Sobre o nefasto "jeitinho", golpe dado no Tip Top, fala a maior fã do local e seus eventos, Mercedes Recoder: "quantos absurdos assisti, de pessoas de um certo nível, tentando passar a perna nos organizadores".

"É exatamente nas pequenas coisas que as pessoas demonstram o que são. O conceito é um só; não existe elasticidade".

* Hoje, às 19h, o fotógrafo Eugênio Gurgel, realiza brinde especial à sua mostra “Só Rock’N’Roll”, no DiamondMall.