Assunto da hora

A nova chef e sócia do restaurante Santafé, Carol Fádel entre Agilberto e Pedro Martins da Costa, sócios do grupo Rede Gourmet
Foto: Enan Correia

Assunto da hora
Texto perfeito que não ficou paralisado nas estradas da Internet: “A pessoa tem um posto e vende gasolina a R$ 6,00 o litro. O Ceasa vende o saco de batata que custava R$ 75 a R$ 500. O mercado vende o alface por R$ 6,58. E só o político é ladrão e corrupto. Parabéns Brasil pela união.  Se serve de consolo, temos lembranças do último grande furacão nos Estados Unidos, onde faltou de tudo”.

Assunto único
“Nos Estados Unidos, durante e depois do furacão, a maioria dos mercados, farmácias, postos de gasolina, hotéis, comércio em geral vendia produtos e serviços a preço de custo para ajudar a população. Lamentável. O problema do Brasil é o brasileiro. Sem sombra de dúvidas”.

Assunto recorrente
Em 14 de maio de 2005, o saudoso escritor João Ubaldo Ribeiro (1941-2014) declarava em entrevista à revista Veja: "Somos um país corrupto". Nos primórdios do Mensalão, o escritor dizia que o governo Lula é incompetente, que ricos e pobres brasileiros são igualmente desonestos.

Assunto dolorido
"O brasileiro é tão subserviente que, quando alguém chama Lula de ignorante – o que é uma verdade –, diz-se que o presidente está sendo desrespeitado. Vivemos num ambiente de lassitude moral que se estende a todas as camadas da sociedade. Esse negócio de dizer que as elites são corruptas mas o povo é honesto é conversa fiada. Nós somos um povo de comportamento desonesto de maneira geral, ou pelo menos um comportamento pouco recomendável. Se me acompanhar à rua, podemos fazer uma experiência”.

Assunto triste
Resumo da ópera bufa: Claro que existem brasileiros honestos, com também políticos. Mas a maioria confirma a regra. Um querendo levar vantagem sobre o outro, no final, todos perdem porque um desconta no outro. No capítulo impostos, o governo explora o povo, o povo explora o próximo e sonha em enganar o governo. Resultado: um gosto da Venezuela na boca.

Curtas & Finas

*Mais João Ubaldo sobre o Brasil e os brasileiros: “A população da Zona Sul do Rio de Janeiro é formada em grande parte de gente da terceira idade”.
“Quando um idoso atravessa a rua, os motoristas de ônibus aceleram em ponto morto, fazendo um barulhão, para assustar o velho, querem matar o velho”.
“Os brasileiros estão convictos de que, se um pedestre atravessar fora da faixa, o motorista tem o direito de atropelá-lo e matá-lo”.
“Ouço de várias empregadas domésticas que é comuníssimo, aqui no Rio, que responsáveis pela merenda escolar retirem alimentos das crianças para levar para casa, distribuir entre parentes e até montar quitandas. Isso é um evidente absurdo”.

*Em tempos de crise, Dilma Rousseff nunca é esquecida. No Faustão dessa semana, Rogério Flausino, vocalista do Jota Quest lembrou da máxima advertência da petista: “Se tivéssemos estocado vento, não estaríamos amargando essa falta de energia nesse momento.”