Aquecendo a taça para o inverno


Com a chegada das primeiras brisas frias do outono, prenunciando os sopros de inverno, o interesse das pessoas pelo vinho aumenta, e o consumo da bebida decola. Parece ser a época mais propícia para o consumo do vinho, mas na realidade, vinho pode ser bebido durante todo o ano nas regiões produtoras mundo afora. 

E neste meio tempo em que sentimos em Belo Horizonte um inverno mais prolongado e com temperaturas de 42 anos atrás, o vinho está aquecendo as taças de muita gente.

Caldos quentes são bom começo para as refeições e podem ser harmonizados com vinhos. Para legumes a opção segura pode ser um bom Sauvignon Blanc ou Chardonnay. Para caldos de carnes conforme a textura e condimentos as opções podem variar de um rosé a um tinto mais leve criado a partir da Malbec ou Merlot. 

No entanto, nenhum prato combina mais com a estação do frio do que massas suculentas e risotos degustados com uma boa taça de vinho. Trigo, Vinho e Azeite estão ligados à história da nossa civilização desde os tempos mais antigos, criando uma aliança unindo as regiões onde surgiram. Afinal uva e trigo são símbolos de fartura, boas colheitas, conquistas e comemorações. 

A regra “massa vai bem com um tinto” é restrita. Não permite a criatividade que procuramos dar para a arte e cultura do vinho e comida. É importante avaliar e conhecer os ingredientes, as texturas, carnes, temperos e então selecionar o vinho mais adequado. 

Quando falamos em massas, o molho é fundamental para a escolha do vinho. Para molhos com base em tomate fresco e ervas, mais leve, um Sauvignon Blanc ou Vinho Verde serão perfeitos. Para frutos do mar, carne de siri, camarão ou mariscos, o ideal é degustar um Chardonnay, Viogner ou Riesling, com boa fruta e corpo compatível. Um espumante brut ou rosé serão boas opções também. E estamos falando de vinhos brancos mesmo em época de frio. 

No entanto, quando o assunto é Pesto, com base em azeite de oliva, pinholes ou nozes e manjericão, o vinho deverá ter corpo e frescor. Um Chardonnay jovem, com madeira equilibrada e bem integrada será uma excelente opção, pois os toques de maçãs, frutas secas, tostado, amêndoas e oliva casam bem o vinho com o molho. 

Molhos de funghi são versáteis, podendo ser harmonizados com um branco encorpado, ou um tinto com taninos macios. Quando a massa estiver acompanhada de um filé, um vinho tinto de bom corpo será uma opção ideal. 

Para o molho Carbonara, de sabor forte pelos temperos, untuoso pela presença do bacon e de difícil harmonização pelo sabor do ovo, o Merlot é a sugestão de segurança. 

Massas recheadas com abobrinha ou ricota por si só pedem vinhos brancos de Semillon ou Chardonnay; com molhos brancos mais fortes ou vermelhos, um tinto como Pinot Noir poderá ficar ótimo. Se o molho tiver mais temperos, prefira vinhos com mais corpo. 

Para massas com molho de queijo, a intensidade de cada um deles será levada em conta para a escolha do vinho; a opção mais segura será tintos como um bom Malbec ou Cabernet Sauvignon. Caso, além do queijo, tenha um toque de noz moscada, peça um Syrah: os toques de chocolate e especiarias se exaltam. 

Nesta época do ano o consumo de vinhos no Brasil chega a dobrar. Mesmo os mais apaixonados por saborear uma cerveja bem gelada, daquelas que, com certeza, recebem tratamento vip nos principais bares e restaurantes da cidade, não resistem à sedução de saborear um bom vinho durante esta estação. Muitos até não conseguem se segurar e dão seguimento a este impulso a qualquer sinal de climas mais amenos que já sinalizam o frio.

O gosto popular do brasileiro que está iniciando-se no vinho induz tomar vinhos um pouco mais suaves, mas os melhores são os vinhos secos: "tem até um bom percentual de vinhos importados que, agora com a cotação do dólar ficam mais acessíveis e com R$ 40 dá para tomar um bom vinho argentino, chileno e até europeu".

O Inverno é época de se beber grandes vinhos como os encorpados e alcoólicos Amarones, os complexos Chateauneuf-du-Pape, os vigorosos Cabernets Sauvignon chilenos e norte-americanos, os Syrahs mais encorpados e com os toques defumados. Uma bela estação para se esquecer das dietas e aproveitar o melhor de um bom prato harmonizado com uma bela taça de vinho.

Afinal, a vida é bela, mas é curta e nada melhor do que vive-la da melhor maneira. Aproveite a estação para degustar, apreciar e harmonizar as massas e carnes com os vinhos e anote as melhores combinações. 

Saúde!

Márcio Oliveira – Enófilo – E-mail: molivierbh@gmail.com