Muito além de 1.500 garrafas de vinho, açúcar e mitocôndrias

O pesquisador de Harvard David Sinclair, em uma recente pesquisa com seu grupo, afirmou: Se você quiser viver 120 anos, beba o máximo de vinho tinto que puderes”. Mas há um problema nisso, para atingir os níveis satisfatórios para obter os benefícios do vinho, deveríamos consumir cerca de 1.500 garrafas de vinho tinto por dia. Sabemos que isso é surreal e nos mataria muito antes de termos a chance de chegar perto dos 120 anos, porém, ainda assim esses resultados são importantes. Tal notoriedade fez com que o próprio pesquisador abrisse uma empresa para produzir o composto ativo do vinho tinto, o nome dessa pérola na medicina é RESVERATROL. 

Apesar da descoberta desses benefícios, temos que entender que não existe uma pílula mágica que permitirá que comamos e bebamos o que bem entendermos e mesmo assim teremos uma expectativa de vida além da esperada. O corpo humano é muito mais complexo. Para isso precisamos entender tudo o que é possível para termos uma vida longínqua e saudável, além das pílulas. Muito se fala do resveratrol, e com razão, é uma descoberta expoente. Ele não é uma droga, é uma molécula natural de defesa da planta, um fitonutriente encontrado nas uvas e também no vinho. O resveratrol é um dos milhares de polifenóis que compõem apenas uma classe de fitonutrientes. Eles agem de várias maneiras, uma delas é que funcionam como um sistema de controle genético, que liga e desliga genes que ajudam a nos manter saudáveis. Isso é  explicado pela ciência nutrigenômica, que cultua que a comida é a informação que diz ao nosso corpo o que fazer, ela não é apenas uma fonte de calorias que precisamos para obtermos energia.

Não podemos acreditar que apenas um composto, no caso, o resveratrol vai radicalizar mudanças na nossa vida. Precisamos entender as causas da obesidade, do envelhecimento, das doenças. As respostas para muitas coisas estão no número e na função das suas mitocôndrias, principalmente quando falamos em longevidade, envelhecimento saudável e prática de esportes.

A mitocôndria é um pequeno órgão que está presente em todas as células. São elas que transformam oxigênio e alimento em energia. Elas podem ser consideradas chaves para uma vida saudável, perda de peso, longevidade. Para continuar falar das mitocôndrias, voltemos ao Sinclair. Em um experimento, um grupo de ratos foi submetido a uma dieta rica em gordura. Na meia-idade, todos se tornaram obesos, com diabetes, gordura no fígado e morreram cedo. Ao outro grupo, foi dada a mesma dieta, porém, os ratos também receberam uma dose de resveratrol de 24mg/kg de peso corporal do rato. Essa é a quantidade equivalente à encontrada em 750 a 1500 garrafas de vinho por dia. 

A síntese do resultado foi a seguinte: os ratos tinham gordura, mas viveram mais tempo e não desenvolveram diabetes. Eles foram mais ágeis e tinham mais resistência do que os ratos que não receberam o resveratrol. O perfis de colesterol não mudaram, mas eles não adquiriram cardiopatias, isso mostrou que o colesterol não é tão assustador quanto se pensa que é.  

O que isso significa?

No estudo apresentado, o resveratrol produziu mudanças associadas com a vida útil mais longa e produziu alguns efeitos biológicos:

- aumento da sensibilidade à insulina, o que leva a um melhor controle de açúcar no sangue;

- redução dos níveis de fator 1, crescimento semelhante à insulina (IGF-I), uma molécula relacionada com o hormônio de crescimento, que promove o crescimento do cancro;

- aumento da AMPK, que é um sistema de sinalização do corpo que controla a sensibilidade à insulina e pode previnir a diabetes;

- aumento do PGC-1, um sistema de sinalização crítico que está baseado nos genes que melhoram o controle do açúcar no sangue e melhoraram a função da mitocôndria;

- aumento do número de mitocôndrias, o que significa um aumento da capacidade de transformar alimentos em energia e queimar calorias;

- melhora da função motora, tornando os ratos velhos mais ágeis.

O resveratrol ajudou a evitar os efeitos do envelhecimento modificando 144 de 153 vias metabólicas que são controladas por genes. Os resultados desses estudos nos dizem que o envelhecimento e a doença são controlados em grande parte pelo açúcar e função da insulina no corpo.

Em um outro estudo, realizado por Johan Auwerx (França), foram testadas doses muito mais altas de resveratrol nos ratos. Essas doses eram 18 vezes mais mais elevadas do que as do primeiro estudo. Para ambientar a situação dos ratos: comiam muita gordura (alto teor calórico) e consumiam uma dose equialente a 360 cápsulas de resveratrol por dia. Os efeitos foram os seguintes:

- não ganharam peso e reduziram a quantidade de células de gordura;

- não desenvolveram diabetes nem síndrome metabólica;

- houve aumento do número de mitocôndrias de produção de energia em suas células musculares.

- aumento da termogêse, portanto, aumentaram a queima de gordura;

- aumento da resistência e da capacidade aeróbia (sem exercício);

-  mantiveram a sensibilidade das suas células à insulina, resultando em melhor controle de açúcar no sangue.

Além disso, houve melhora da força muscular e da coordenação. A fadiga muscular reduziu e o resveratrol melhorou a atividade de PCG-1 alfa, o que controla os genes que afetam o açúcar no sangue, o que protege os orgãos.

Já sabemos que para controle de obesidade e outras doenças, a relação com o controle do açúcar no sangue é muito importante, da mesma forma que o número e a função das mitocôndrias. O consumo de resveratrol não vai permitir que vivamos sustentados pela gula e pela preguiça e livres de doenças. 

A leitura desses resultados pode nos levar a refletir sobre algumas perspectivas: precisamos compreender as influências do controle do açúcar no sangue, nossa função mitocondrial e certamente precisamos atentar para um estilo de vida que nos mantenha saudáveis, magros e “jovens”. Apenas tomar uma pílula de resveratrol não fará isso, ela contribuirá para o alcance dos melhores resultados, como tantos outros fatores. 

Somos envoltos por toxinas ambientais, sedentarismo, estresse, má alimentação, tudo isso afeta o controle do açúcar no sangue e as mitocôndrias
Podemos ir além, para discutirmos um pouco sobre o açúcar, que tem efeito master no envelhecimento, afetando a forma como o organismo controla a sensibilidade à insulina. Todos os efeitos do envelhecimento aumentam e se agravam quando o açúcar está em evidência, mesmo antes de chegar à diabetes. Lembremos que pessoas com diabetes tem menos mitocôndrias e  estas com funcionamento comprometido, câncer, doenças cardíacas e demência em taxas muito maiores do que a população em geral.

Portanto, se pudéssemos corrigir nosso controle de açúcar no sangue e aumentar as nossas mitocôndrias poderíamos viver mais tempo e livres de doenças. Retomando o que discutimos até agora, depreendemos que o resveratrol tem seu destaque, mas é coadjuvante, um apoio. É válido conhecer todos os fatores que contribuem para melhorar ou aumentar o seu controle de açúcar no sangue e mitocôndrias. Sem se pautar na necessidade de tomar 1.500 garrafas de vinho ou 360 cápsulas de resveratrol. 

A seguir, trazemos algumas dicas baseadas em uma medicina funcional, um panorâma amplo:

- controle o açúcar no sangue, aumente a ingestão de alimentos ricos em fibras e que tenham baixo índice e carga glicêmica;

- coma proteína em cada refeição. Isso ajuda a equilibrar o açúcar no sangue. Proteínas vegetais, proteína animal magra, ovos, ômega-3;

- limite drasticamente o consumo de farinhas, isso significa que qualquer açúcar, de qualquer fonte. 

- encontre maneiras de relaxar todos os dias. Isso evita diabetes e controla o açúcar no sangue, reduzindo os níveis de cortisol, o hormônio do estresse. 

- para impulsionar suas mitocôndrias, você precisará se exercitar e construir músculos;

- ingira fitonutrientes, o resveratrol e outros podem ser encontrados no chá-verde, romã, frutas e legumes de cor escura.

- considerar esses suplementos para proteger e aumentar as mitocôndrias: coezima Q10, acetil-L-carnitina, ácido alfa-lipólico, D-ribose, magnésio, vitaminas do complexo B eNADH;
- limitar a exposição a metais pesados, poluição e toxinas ambientais, todos funcionam como veneno para as mitocôndrias.  

Devemos aprender a buscar o melhor, nos desintoxicarmos, vivermos bem, comermos sem culpa, de forma saudável. Minimizar a importância de problemas, valorizar o bem-estar, as coisas que surgem do bem. Buscar equilíbrio entre o ser, o ter e o querer. 


Adaptado de: HYMAN; Mark. Resveratrol - Can you really eat whatever and live to 120?. Disponível em:<http://drhyman.com/blog/2010/05/19/resveratrol-eat-whatever-and-live-to-120/>.