Paulo Navarro | sábado, 9 de março de 2019

Foto: Edy Fernandes

O Turista Incidental

Menino, Roberto Fagundes colecionava dinheiro, lavava carros. Até o “click”, o intercâmbio pelo American Field Service. Mesmo com bolsa, voltou a lavar carros, janelas e limpou até neve. Voltou, deu aulas de inglês, foi engenheiro e acabou sócio dos irmãos, na Clan Turismo. Hoje é presidente da Federação Convention & Visitors Bureaux de MG e do Conselho do BH Convention & Visitors Bureaux.

Como tem passado o engenheiro Roberto?

Ficou no passado mesmo. Formado em engenharia, construía e vendia casas. Depois, um prédio. Quando a Caixa suspendeu o financiamento habitacional, tive enorme prejuízo, perdi tudo. Daí me dediquei totalmente ao turismo.

E agora? Qual o Norte?

Realizei inúmeras viagens, a todos os continentes. Daí, enveredei pelo setor hoteleiro em BH. Mais tarde, com a Mendes Jr., veio o primeiro apart-hotel. Já com a Clan Administração de Hotéis, foram oito e por último, um no Funcionários.

E a ACMinas?

Através de um amigo, comecei no Conselho de Turismo da ACMinas. Virei sócio e diretor. Fui presidente dos Conselhos de Logística e de Assuntos Internacionais. Com o tempo, fui vice e presidente. Foi como se tivesse feito um MBA em negócios e relações públicas.

Qual foi seu legado?

Otimismo, com honestidade, correção.

Qual a luta da hora?

O governo Novo optou por unir as secretarias de Estado de Cultura e Turismo, o que não consideramos interessante. Solicitei uma audiência com o governador. Esperamos que ele, que é de Araxá, uma das principais cidades turísticas do estado, tenha sensibilidade bastante para nos ouvir.

Turismo & Cultura...

Convivem, cada um em sua área. O turismo é a leitura moderna da cultura, é negócio; um setor que processa recursos naturais, culturais e humanos, sem desgastá-los, de forma articulada e planejada. O turismo tem que ser reconhecido como uma área estratégica para o desenvolvimento do estado. Segundo a Organização Mundial do Turismo, o turismo é o terceiro maior negócio do mundo.

E um mineiro como ministro do Turismo?

Sim, Marcelo Álvaro Antônio. Ele tem o maior interesse na parceria com o estado; em resgatar todo o potencial de Minas. Nosso único receio é que o cavalo passe arreado e não saibamos aproveitar.

E o famoso turismo de negócios?

É vocação de Minas a atividade turística. Somos muito ricos em diversidade cultural e natural. Estamos no centro do Brasil, o que nos confere estratégica. Precisamos sediar grandes eventos nacionais e internacionais. Mas, antes, promover o estado.

E BH?

BH tem 126 hotéis. Temos o Expominas; o aeroporto internacional, o terceiro melhor do país; a gastronomia, bares, restaurantes, casas de espetáculos, museus, o Circuito Liberdade. Falta um grande Centro de Convenções. Mas até o Minascentro está fechado. Para “vender” BH foi constituído o Convention & Visitors Bureau, que precisa do apoio de todos os setores para o desenvolvimento do turismo de negócios.