Paulo Navarro | quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Durante jantar na Boníssima Vila da Serra, o chef do Rullus Buffet, Henrique Gilberto, a sócia da padaria, Luiza Carneiro, e o locutor Galvão Bueno

Foto: Vivian Amorim

Rede Galvão 

Dia 2, o Empório e Padaria Boníssima Vila da Serra recebeu o apresentador e enófilo Galvão Bueno para um bate-papo e jantar exclusivo acompanhado de degustação de rótulos da sua vinícola, Bueno Wines. Setenta amigos, formadores de opinião e convidados esbaldaram-se de agradabilidades. Local perfeito, pois a Boníssima é elogiada também por sua adega com mais de 500 sedutores e hipnotizantes rótulos.

Alô Galvão 

Galvão seduziu os convivas, inclusive com uma brincadeira. Para ele, as mulheres são Merlot ou Cabernet Sauvignon. No primeiro caso, são mulheres clássicas, mais discretas. No segundo, são as fogosas. E há também as Blends, um misto quente dos dois tipos dependendo da ocasião.

Galvão gavião 

Galvão também falou sério, levantando uma bandeira comum neste espaço, a de que a política tributária no Brasil é criminosa. Acaba inviabilizando o consumo de bons rótulos com impostos extorsivos. Vinhos chilenos no Brasil são três vezes mais caros, por exemplo, que na Suécia.

Galvão trovador 

O lado poeta de Galvão Bueno: “Vinho é um ser vivo, ele tem alma e uma relação de amor”. Galvão é um “showman” ao vender a seleção brasileira, seus vinhos e criar gado; sabe cativar e prender a atenção. “Bem, Amigos da Boníssima”, aclamava a todo o momento. “Foi um grande prazer receber um ícone como o querido Galvão Bueno. A noite superou as nossas expectativas e reforçou ainda mais a casa sempre com foco em agregar algo mais a seus clientes”, afirma Luiza Carneiro, uma das sócias.

Galvão provador 

Galvão narrou e regou o jantar: “O vinho pra mim é paixão. Há 40 anos, a trabalho, eu ficava uma semana na Europa, uma no Brasil. E não se bebia tanto vinho assim no Brasil. Tomava-se muito mais whisky e cerveja; não era normal ver, nas mesas, as pessoas tomando vinho. Já na Europa, toda mesa, no almoço e no jantar, tinha uma garrafa de vinho”.

Curtas & Finas

* Sobre o hábito sagrado do vinho na Europa, continuou Galvão: “Pensei: esse negócio deve ser bom, comecei a provar; entendi o motivo de toda mesa ter vinho”.

Na Boníssima, os rótulos foram harmonizados com pratos do chef Henrique Gilberto, do Rullus Buffet, famoso pelas novas ideias e ousadia às suas receitas.

Galvão Bueno teve o privilégio de rodar o mundo nos últimos 40 anos trabalhando com eventos esportivos.

Foram essas viagens que lhe permitiram conhecer e se relacionar com diferentes culturas, costumes e sabores.

Portugal, Espanha, França e Itália; Galvão tem intenso contato com a cultura dos vinhos. Foi apurando o paladar.

A bagagem internacional levou Galvão a se interessar também pela indústria brasileira de vinhos.

Contou ele: “Em 2009, fundei a Bueno Wines e encontrei na Bellavista Estate, na região do Seival, na Campanha Gaúcha, o perfeito terroir do paralelo 31, a mesma latitude dos vinhos produzidos na Argentina, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul”.

* Acontece hoje, a partir de 9h30, a inauguração do Oncobio, o primeiro Câncer Center do Grupo Oncoclínicas e do Biocor Instituto.