Paulo Navarro | quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Maria Gonçalves de Souza Campos – atleta e proprietária da marca Indian Horse, que representa as grifes do hipismo Eurohorses e Dressur Equestrian – vem se destacando no hipismo clássico, montando o cavalo Chirocco D JMen

Foto: Beto Rocha

Queremos de volta 

Romeu Zema quer transformar o Palácio das Mangabeiras em “Museu das Mordomias”. Só pode ser brincadeira. Museu da Mordomia é mordomia. Zema quer mostrar um luxo que não existe. O palácio é, no máximo, grande beleza formada por projeto de Oscar Niemeyer e jardins de Burle Marx. E museu assim já temos, na orla da Pampulha, a Casa JK. O Palácio das Mangabeiras é ideal como residência, merecida.

Queremos o outro 

Melhor faria Zema se devolvesse o Museu dos Governadores, no Palácio da Liberdade. Esse sim, um luxo em memória e história. Foi inaugurado em 2013, no governo Anastasia, e aberto para visitas aos sábados, domingos e feriados. Em 2014, Pimentel, como posseiro, fechou e ocupou-o.

Queremos de novo 

Virou gabinete de Pimentel. O acesso ao público foi fechado, “proibindo” a exposição permanente “Palácio da Liberdade – Memórias e Histórias”. Zema, sem mordomia, deveria morar no Mangabeiras e reabrir o Liberdade. Melhor, criar o Museu Niemeyer, na linda casa das Mangabeiras.

Queremos e podemos 

Os palácios são lindos. No da Liberdade, a escada de ferro importada da Bélgica, piso de pinho de riga da Letônia, mármores de Carrara, móveis Luís XV e pinturas nas paredes de todos os salões. Os maravilhosos jardins e o lago também eram franqueados ao público. Palácio “da Liberdade” com grades é uma ironia, mas elas são inevitáveis neste país de vândalos. Todavia, os muros laterais, continuando as grades, deveriam, no mínimo, ser trocados pelas mesmas grades, mostrando os jardins do fundo.

Queremos e precisamos 

Já o Palácio Mangabeiras, se Zema abre mão, poderia virar museu também. Com um detalhe que serve também ao Liberdade e outros museus de BH: falta acervo em todos eles. Falta política de aquisição. Falta a “entidade” Amigos do Museu para procurar, achar, doar e aumentar as coleções. Bons e ricos museus funcionam sozinhos, sem dinheiro do governo.

Curtas & Finas

* Sábado, dia 10, o Alphaville Centro Comercial será o ponto dos fãs da Harley-Davidson e dos famosos “dojões”.

Curso exclusivo para proprietários de Harley Davidson – o BH H-D – H1 – e o 12º Encontro de Carros do Chrysler Clube de Minas Gerais (CCMG).

* O Festival Fartura leva a gastronomia de todas as regiões do Brasil a diversas capitais, ao longo do ano.

Nos dias 10 e 11, é a vez do Ceará experimentar o gostinho de pratos de chefs estrelados, no Festival Fartura – Comidas do Brasil Fortaleza, no Iate Clube da cidade.

* Amanhã, às 19h30, na Casa Rio Verde, distribuidora exclusiva dos espumantes Adolfo Lona, em Belo Horizonte, degustação com o próprio enólogo, que terá uma agradável surpresa. Claro, não vamos contar aqui e estragar tudo.

* Pensando no efeito que a transformação digital tem provocado na percepção do tempo?

É sobre esse tema que Mauro Carrusca falará na 3ª Campus Party, com a palestra “A Era da Aceleração”. Serraria Souza Pinto, hoje, às 18h, entrada gratuita.