Açúcar ou adoçante

A bela Gabriela Alam na boate Na Sala
Foto: Edy Fernandes

Marcando presença no Udon, as irmãs Natália e Tatiane BenevidesFoto: Edy Fernandes

Açúcar ou adoçante
Todo ano, a mesma coisa, as mesmas desculpas esfarrapadas, dos dois lados. Com o Carnaval chegando, muitos relacionamentos são rompidos. Para se esbaldarem e chutarem o balde, casais terminam a relação e soltam a franga e/ou buscam nas plataformas de relacionamento outros, muitos, parceiros novos. Enquanto durar a folia e a fantasia. Um destes sites é o Meu Patrocínio, para os "açucarados".

Açúcar e patrocínio
A plataforma Meu Patrocínio, une, aproxima o que se conhece por "Sugar Daddies, Mommies e Babies". Em bom português, homens e mulheres ricos e maduros, "patrocinando", "bancando" dando vida boa para jovens lindos e lindas, durante o carnaval ou bem depois; um relacionamento.

Açúcar e farra
Carnaval, desde sempre pode ser sinônimo de liberdade ou libertinagem. Com amigos que convidam para uma viagem, sem o(a) parceiro(a). E é aí, com dois anos e 400 mil inscritos no Brasil, que entra o Meu Patrocínio, com um aumento de 10% no número de usuários neste período.

Açúcar e pimenta
Para Jennifer Lobo, CEO e fundadora da plataforma, “o Carnaval acaba sendo o estopim para o fim de relações já frágeis. Uma pequena discussão a respeito daquilo que se pretende fazer durante a folia ganha força e são estimuladas pelo clima de "pecado"; frustrações latentes geram rupturas.". Com risco de arrependimento depois, é a fome com a vontade literal de comer, "maduros e ricas apoiando" jovens em seus estudos, carreira, estrutura emocional e financeira em troca de sexo ou companhia.

Curtas & Finas
* Mais sobre o "Carnaval & Patrocínio!".
Mentiras, falta de diálogo e possessividade, tão comuns durante o carnaval, não encontram espaço na plataforma. Pelo contrário.
Os objetivos das relações são objetivos e transparentes desde o início, sem cobranças inúteis, para curtir a folia.

* "Não, é Não!" Este é o adesivo que as mulheres estampam em seus corpos deixando claro, aos interessados(as) - principalmente aos ogros - que a aproximação/abordagem/paquera, no carnaval, depende da permissão delas.
Elas se sentirão desrespeitadas se a insistência for grande, logo,  virando assédio. "Não é Não!" e fim de papo!

*Como Gisele Bündchen, o empresário mineiro Euler Fuad sofreu muito na final do Super Bowl LII, domingo último, no U.S. Bank Stadium, em Minneapolis.
Ela, pela derrota do Patriots de seu Tom Brady contra o Philadelphia Eagles e ele, pela simples performance fotográfica que fez durante o intervalo, no show de Justin Timberlake. Festa milionária, sob a temperatura de -21 graus.