A mulher Paris Rio Berlim

Juliana Bocchese – Foto: Edy Fernandes

Juliana tem sobrenome de estilista e de alta gastronomia. Nome de Villa: Bocchese. Ela também esbanja beleza, charme, talento e elegância em tudo o que fez e no que faz: vestidos de noiva. E pelo jeito, seria ótima guia de viagem, companheira de viagem. Pé no chão do mundo das Luas, sem cair ou tropeçar em crateras, Juliana segue pisando, flanando e criando passarelas nas nuvens.

- Juliana, como vão as modas, ou melhor, A Moda?
Sofrendo pelo excesso de velocidade. "Seenow, buynow" é o lema. A moda pertence ao reino das tendências, o que a torna volátil e vulnerável. Se ela reflete o comportamento e os costumes de uma época, imagina a de hoje?

- Quem casa ainda quer casa, ou se contenta com um vestido de noiva?
Hoje casa-se depois que a vida profissional está engatilhada. Namoros longos que viram casamento. O que não quer dizer que se casam mais maduros para o amor.


- O vestido, a cerimônia... O ritual continua?
O ritual faz parte do amor. Muda-se não só o estado civil, mas o jeito de viver. Famílias até se endividam para realizar o sonho. E muitos casais bancam a festa. As cerimônias diminuíram, mas não em emoção.

- Como você define teu estilo em design de vestidos?
Absurdamente detalhista, caso a se tratar, rsrs.  Gosto de nada muito convencional, porém, a alma é quase neoclássica.

- Que de lua de mel recomenda?
- Viagens calmas. Nada de conhecer metade da Europa em uma tacada! Depois de "A" festa, ninguém merece estresse, emoções fortes. É hora de relaxar, namorar, sonhar, curtir. O nome já diz: Lua de mel!

- Qual a cidade mais romântica ou mais linda e interessante que conhece?
A mais romântica, não vou conseguir fugir: Paris! A mais linda: o Rio, visto “do alto” é das coisas mais lindas que a natureza produziu. Paris visto do Sena é de tirar o fôlego. A mais interessante. Poderia dizer Londres, mas... Berlim. Interessante, a simplicidade com tecnologia. Imagina um aeroporto cujo balcão de check-in é exatamente ao lado do portão de embarque...

- Você já teve restaurante, o saudoso Família Bocchese. Qual dá/deu mais prazer, a Gastronomia ou a Moda?
- Bom, restaurante é business, gastronomia é estilo de vida. O restaurante não me deu prazer, deu muito trabalho! A moda já foi paixão, hoje é como extravaso minha criatividade. A gastronomia também reflete cultura e comportamento. Lembra daquela onda de comidas moleculares? Graças à Deus, a bobagem passou. Hoje vemos a gastronomia mais voltada para o orgânico, valorizando os pequenos produtores.  A moda é meu trabalho, a gastronomia é meu prazer.

- Tem vontade de se divorciar do Brasil?
Muita! Mas, meu momento atual não conspira a favor. Ainda investirei por aqui, mesmo contra todos os prognósticos.

- Para terminar, uma dica de entretenimento aos leitores:
Um filme: Moonlight. Série: Breaking Bad. Livro: Cem anos de solidão. Restaurante: Mercado Grano. Um antídoto contra a monotonia? Ser autêntico