Saudoso GMM

Nos anos 80 e 90 com o surgimento do grupo mineiro de moda, Belo Horizonte vivia uma fase ainda desconhecida. Com o tal “buxixo de moda” a cidade se transformava por ocasião dos famosos desfiles que o GMM promovia, e o GMM não deixava por menos: contratava os melhores do Brasil, não é? Paulo Ramalho, Paulo Martinez, Paulo Borges, Regina Guerreiro e montes de jornalistas de todo o Brasil que se encantavam com a moda, a gastronomia, a dança, a música e a arquitetura das lojas que, naquela época submergiram, deixando a cidade famosa com tantos ban ban bans!

Passagens aéreas esgotadas nos voos vindos de todo Brasil com destino a Beagá, taxis tinha que rezar para conseguir um (não tinha uber), hotéis e restaurantes idem, porém para os descolados, que naquela época só se vestiam de preto (tipo tá de preto, tá na moda), só tinha um lugar: o café ideal, (alõ motta), então, era lá que se refletiam após o desfile. O melhor que acontecia na cidade com esses burburinhos fashions, a energia era aplicada na veia e como eu sempre falo: se tem gente de moda, tem estrela, se tem estrela, tem ponta e se tem ponta acaba se enganchando.

Regina guerreiro, a nossa querida stylist mil estrelas era quem comandava, editava e produzia os nossos desfiles do GMM, e para quem conhecia ou trabalhava com ela sabia que ela soltava faíscas. Ainda mais que era a única jornalista de moda que realmente sabia editar, produzir e deixar lindo um desfile no Brasil.

Voltando ao café ideal, Regina estava entrando no recinto quando foi abordada por outra jornalista paulista com o seguinte texto: “aiii Regina, você também está hospedada no hotel tal? E a Regina, sim querida. E a outra: quantas estrelas têm? Regina responde: só uma querida, eu!” Moda não é uma delicia?

Até a próxima com mais de moda e seus folclores. Á bientôt!