Eterna vigilância: BBB involuntário?